Anúncio

Collapse
No announcement yet.

Gibis pra meninas tão bons (ou melhores) que pra meninos

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • Gibis pra meninas tão bons (ou melhores) que pra meninos

    Texto de Claude Bornel
    Fonte: http://www.opovo.com.br/colunas/sequencial/765010.html

    Já comentamos aqui na Seqüencial que os quadrinhos são produzidos pelas grandes editoras para satisfazer as vontades do público masculino (Leia aqui). Os heróis são sempre apresentados como aqueles que salvam o dia e se sacrificam pelo bem da humanidade. As heroínas podem até fazer a mesma coisa, mas sempre vestidas com uma roupinha colante ou curtinha. Por que elas não podem combater os malfeitores sem a toda hora mostrar a bunda?

    A DC Comics, que não consegue bater a Marvel já algum tempo, está tentando provar que as heroínas não precisam se despir para se sobressair. E, muitas vezes, sequer precisam de super-poderes para salvar o dia. Apenas de histórias capazes de falar a mesma língua das leitoras. Tramas nas quais elas possam ver um pouco de si mesmas ou, se não for assim, ao menos encontrar ali um bom motivo de entretenimento sem apelação.

    A editora do Super-Homem, do Batman e da Mulher-Maravilha lançou no fim do ano passado a linha de gibis Minx, com HQs voltadas para adolescentes do sexo feminino. Um desses gibis parou sem querer nas mãos deste colunista.

    Numa loja especializada em West Palm Beach (EUA), a espera na fila para pagar o que tinha nas mãos foi ocupada com olhadas despretensiosas no que havia perto do caixa. Ali, escondida da maioria dos clientes, atrás de uma pilastra em uma prateleira baixa, a capa com fundo branco de Good As Lily se sobressaía das coletâneas de heróis ao seu lado, com suas capas cansativamente multi-coloridas.

    O texto da contra-capa perguntava "e se a sua maior concorrente fosse você mesmo?". Uma questão universal, na verdade. Não adolescente. Quem nunca ouviu alguém dizer "você é o maior inimigo de você mesmo", referindo-se a coisas que a gente não se permite fazer?

    Daí a leitura da contra-capa explicava que a mocinha da história chamava-se Grace (e não Lily), cujo aniversário de 18 anos é presenteado com um encontro surreal: três outras versões de si mesma, aos 6, aos 29 e aos 70 anos. A história soou bem interessante e foi incluída na compra. Mais que isso, acabou sendo devorada antes dos demais itens adquiridos.

    Good As Lily tem uma apresentação gráfica simples. Mais parece um mangá com suas 148 páginas em formato 13 cm x 20 cm, com desenhos em preto e branco e personagens de feições asiáticas. Na verdade, influência direta do escritor Derek Kirk Kim, nascido na Coréia do Sul e residente nos Estados Unidos.

    O texto é muito bacana e casa perfeitamente com o traço simples e descontraído de Jesse Hamm - que criou um dos personagens (Jeremy) com a cara de Derek. Sim, um gibi para meninas todo feito por dois homens. E com que sensibilidade, diga-se de passagem.

    Gostinho de quero mais

    Grace é uma garota comum na aparência, mas que se sobressai pela inteligência -acabou de ganhar uma bolsa para estudar na universidade de Stanford. Aos 18 anos, está cheia de dúvidas sobre o futuro. Ela sabe que suas escolhas serão decisivas para o resto da vida. Ao mesmo tempo, alimenta uma paixão platônica pelo professor de Artes, Mr. Levon, que a cega para outras possibilidades amorosas.

    A menina divide essas angústias com os amigos no dia em que ganha um pique-nique no parque como festa surpresa de aniversário. Em dado momento, Grace vai comprar sorvete junto com a amiga Rona numa carrocinha. A vendedora diz que não tem, mas convence a aniversariante a comprar uma pinhata (neste caso, um porquinho feito de papel marchê para ser pendurado e depois quebrado por um pedaço de pau e depois comer os doces dentro dele).

    Todos entram na brincadeira e se divertem com Grace, de olhos vendados, tentando acertar o porquinho. Depois de muito tentar, sem exatamente conseguir quebrar a pinhata, descobre que estava vazia. Hmm... Realmente vazia?

    Já de noite, Grace se dá conta que esqueceu no parque o presente dado por Jeremy e vai correndo até lá. No caminho, o encontro com seus três "Eu's". A jovem imagina estar sonhando, mas no dia seguinte se dá conta de que não ficou doida. Elas realmente fazem parte de sua vida e vão lhe mostrar muito mais sobre "escolhas" do que a Grace de 18 anos, sozinha, poderia descobrir.

    Depois de ler a última página de Good As Lily, pode ter certeza que a leitora (e por que não também o leitor?) vai ficar com um gostinho de quero mais nos olhos. E mais que isso. Vai ter a certeza de que, pelo menos hoje em dia, existem gibis para meninas com histórias melhores que os gibis produzidos apenas para meninos.

    Se formos lembrar alguns dos clássicos das HQs como Cavaleiro das Trevas, Watchmen, V de Vingança e Elektra Assassina vamos nos dar conta de que neles, acima de tudo, existem tramas extremamente bem elaboradas, que prendem do começo ao fim. O problema de hoje é que grande parte dos gibis de heróis se preocupa mais com estética visual do que com conteúdo. Dessa forma, é difícil imaginar um lançamento que possa se candidatar à condição de clássico nos próximos 10 anos.

    Ainda é muito cedo para dizer, mas a julgar pela qualidade de Good As Lily é possível que um futuro novo clássico das venha de uma HQ feita para meninas, e não de super-heróis. Quem sabe?

    Enquanto esse futuro não chega, a leitora (e o leitor, por favor) pode se divertir descobrindo este novo universo de gibis que se abre. O website da Minx(http://www.dccomics.com/minx/) é um ótimo ponto de partida.

    Organizado na forma de uma estante, os ícones dispostos nas prateleiras levam a informações sobre os demais títulos da nova linha da DC Comics - entre eles, os promissores Re-Gifters, Clubbing e Confessions of a Blabbermouth. Inclusive algumas páginas de demonstração que podem ser acessadas gratuitamente.

    Bendita a hora que este colunista ficou esperando naquela fila.


    Fonte: http://www.opovo.com.br/colunas/sequencial/765010.html

    Imagens:
    [hide:692bea4d96][/hide:692bea4d96]

  • #2
    Re: Gibis pra meninas tão bons (ou melhores) que pra meninos

    Postado originalmente por http://www.opovo.com.br/colunas/sequencial/765010.html
    A DC Comics, que não consegue bater a Marvel já algum tempo,


    Postado originalmente por http://www.opovo.com.br/colunas/sequencial/765010.html
    Daí a leitura da contra-capa explicava que a mocinha da história chamava-se Grace (e não Lily), cujo aniversário de 18 anos é presenteado com um encontro surreal: três outras versões de si mesma, aos 6, aos 29 e aos 70 anos. A história soou bem interessante e foi incluída na compra. Mais que isso, acabou sendo devorada antes dos demais itens adquiridos.

    [Good As Lily tem uma apresentação gráfica simples. Mais parece um mangá com suas 148 páginas em formato 13 cm x 20 cm, com desenhos em preto e branco e personagens de feições asiáticas. Na verdade, influência direta do escritor Derek Kirk Kim, nascido na Coréia do Sul e residente nos Estados Unidos.
    Parece ruim...


    Postado originalmente por http://www.opovo.com.br/colunas/sequencial/765010.html
    Se formos lembrar alguns dos clássicos das HQs como Cavaleiro das Trevas, Watchmen, V de Vingança e Elektra Assassina vamos nos dar conta de que neles, acima de tudo, existem tramas extremamente bem elaboradas, que prendem do começo ao fim. O problema de hoje é que grande parte dos gibis de heróis se preocupa mais com estética visual do que com conteúdo. Dessa forma, é difícil imaginar um lançamento que possa se candidatar à condição de clássico nos próximos 10 anos.


    Enfim.. Depois dessas pérolas, nem deu vontade de ler o resto.
    Gibi pra meninos? Gibi pra meninas? Que bobagem, isso é coisa de mangá com seus shoujos, shounen, etc.

    Edit: ricker, eu sei que vc só copiou.. troquei o quote pra você ficar mais tranquilo
    I like my coffee the way I like my city: Over-priced, highly concentrated.

    Comment


    • #3
      Re: Gibis pra meninas tão bons (ou melhores) que pra meninos

      Postado originalmente por Mary Marvel
      Postado originalmente por ricker
      A DC Comics, que não consegue bater a Marvel já algum tempo,


      Postado originalmente por ricker
      Daí a leitura da contra-capa explicava que a mocinha da história chamava-se Grace (e não Lily), cujo aniversário de 18 anos é presenteado com um encontro surreal: três outras versões de si mesma, aos 6, aos 29 e aos 70 anos. A história soou bem interessante e foi incluída na compra. Mais que isso, acabou sendo devorada antes dos demais itens adquiridos.

      [Good As Lily tem uma apresentação gráfica simples. Mais parece um mangá com suas 148 páginas em formato 13 cm x 20 cm, com desenhos em preto e branco e personagens de feições asiáticas. Na verdade, influência direta do escritor Derek Kirk Kim, nascido na Coréia do Sul e residente nos Estados Unidos.
      Parece ruim...


      Postado originalmente por ricker
      Se formos lembrar alguns dos clássicos das HQs como Cavaleiro das Trevas, Watchmen, V de Vingança e Elektra Assassina vamos nos dar conta de que neles, acima de tudo, existem tramas extremamente bem elaboradas, que prendem do começo ao fim. O problema de hoje é que grande parte dos gibis de heróis se preocupa mais com estética visual do que com conteúdo. Dessa forma, é difícil imaginar um lançamento que possa se candidatar à condição de clássico nos próximos 10 anos.


      Enfim.. Depois dessas pérolas, nem deu vontade de ler o resto.
      Gibi pra meninos? Gibi pra meninas? Que bobagem, isso é coisa de mangá com seus shoujos, shounen, etc.
      Lembrando que eu só dei CTRL C e CTRL V,
      essas são as opiniões do jornalista

      Comment


      • #4

        Enfim.. Depois dessas pérolas, nem deu vontade de ler o resto.
        Gibi pra meninos? Gibi pra meninas? Que bobagem, isso é coisa de mangá com seus shoujos, shounen, etc.
        Exatamente. Me lembra os tempos de colégio, lápis azul, lápis rosa...

        Comment


        • #5
          Meu lápis sempre foi verde.

          Comment


          • #6

            Isso é só uma brincadeira ...

            Comment


            • #7
              Postado originalmente por Hellblazer


              Isso é bom? Já saiu por aqui em alguma edição?

              Comment


              • #8
                Lixo.

                Comment


                • #9
                  Mulheres não lêem gibis. Ponto, relogio.
                  Postado originalmente por Oz Jordan
                  eu sempre considerei o ajax negão, só q um negão verde. em vista de q os marcianos do caralhø lá eram brancos e verdes, o verde é o negro espacial.

                  Comment


                  • #10
                    Re: Gibis pra meninas tão bons (ou melhores) que pra meninos

                    Postado originalmente por Mary Marvel
                    Enfim.. Depois dessas pérolas, nem deu vontade de ler o resto.
                    Gibi pra meninos? Gibi pra meninas? Que bobagem, isso é coisa de mangá com seus shoujos, shounen, etc.
                    Olha, eu também acho que dividir entre "gibis pra meninos" e "gibis pra meninas" é meio contraproducente, mas a discussão é válida.

                    Eu acho que passa por uma visão extremamente sexualizada na mulher no típico gibi de super-herói americano, e por uma série de papéis e situações às quais os personagens femininos estão expostos. E isso é reflexo da mentalidade editorial das grandes editoras.

                    É mais, IMO, uma questão de gibis que integrem melhor as personagens femininas (e, consequentemente, as leitoras) do que necessariamente fazer uma divisão clara. Afinal, bons gibis deveriam poder ser apreciados por qualquer pessoa, independente de gênero.

                    Comment


                    • #11
                      é gibi para meninas adolescentes.

                      ou pré-adolescentes já que as adolescentes de hoje tem que cuidar do filho e coisa e tal.

                      é legal, mas não é sensacional. pelo menos as duas primeiras minis que eu tenho. quero ler esses porque sou o maior fã vivo da Mary Jane de toda a porção sul de são paulo.
                      Isso é só uma brincadeira ...

                      Comment


                      • #12
                        Não existe.
                        Pode TRANCAR o tópico.
                        Giovanni Giorgio

                        Comment


                        • #13
                          Postado originalmente por Fallout Slaughter
                          Mulheres não lêem gibis. Ponto, relogio.


                          Essa pose é tremenda cópia do "Clube dos Cinco".

                          E eu queria que publicassem Grrl Scout por aqui.

                          Comment


                          • #14
                            Não existe.
                            Pode TRANCAR o tópico.
                            Giovanni Giorgio

                            Comment


                            • #15


                              Aves de Rapina é um dos meus 12 títulos há alguns anos!

                              Nossa, a fase Simone/Benes é DUCARALHO DEMAIS! E não é porque o desenhista sempre botava as personagens dando voadoras e arreganhando as pernas não (ok, também é um bom motivo, mas não o principal)!

                              É porque a autora escreve DE MULHER PRA MULHER, Marisa! Autores homens não entendem o universo das mulheres e as escrevem feito machonas!

                              Já a Simone as escreve realmente de maneira feminina, com sentimentos de mulher, conversas sinceras de mulheres. Sem forçação e sim com naturalidade e suavidade, criando situações interessantíssimas e diálogos fantásticos entre as personagens título!

                              Eu me amarro demais!

                              Comment

                              Working...
                              X