Anúncio

Collapse
No announcement yet.

(Magistrado oldies - Avaliação) INCAL - Moebius e Jodo

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • (Magistrado oldies - Avaliação) INCAL - Moebius e Jodo



    INCAL - VOLUME UM
    O INCAL NEGRO & O INCAL LUMINOSO

    INCAL - VOLUME DOIS
    O QUE ESTÁ EMBAIXO & O QUE ESTÁ ACIMA


    INCAL - VOLUME TRÊS
    A QUINTESSÊNCIA: A GALÁXIA QUE SONHA & PLANETA DIFOOL

    Formato: 21,0 cm X 28,0 cm
    Estrutura: 100/124/100 páginas coloridas cores em papel couchê 90g
    Capa: Cartão 250g, reserva de verniz, com orelhas
    Editora Original: Les Humanoïdes Associés
    História: Alexandro Jodorowsky
    Arte: Moebius
    Cores: Valérie Beltran


    A história de INCAL gira em torno de John Difool, um detetive particular de quinta categoria num amanhã totalmente corrupto e insano. Seu mundo aparentemente pacato vira de cabeça para baixo quando ele encontra um antigo e misterioso artefato chamado “Incal”. Em pouco tempo, por mero acaso, Difool se vê envolvido num conflito de proporções épicas entre o Meta-Barão, considerado o maior guerreiro da galáxia, e os poderes do Tecno-Papa.

    Uma das mais aplaudidas séries em quadrinhos no mundo todo, INCAL é uma verdadeira obra-prima escrita pelo chileno Alexandro Jodorowsky, co-criador de OS TECNOSACERDOTES e OS META-BARÕES, e roteirista/diretor de famosos filmes cults como O TOPO, SANTA SANGRE e A MONTANHA SAGRADA, e ilustrada pelo francês Moebius, o mundialmente aclamado ilustrador de inúmeras graphic novels e artista conceitual de filmes como ALIEN, O 8º PASSAGEIRO, O SEGREDO DO ABISMO e O QUINTO ELEMENTO. O resultado dessa parceria surgida nos anos 80 marcou para sempre o cenário da Ficção Científica e das HQs.

    “Há algumas histórias que ganham fama não por um motivo apenas. Os motivos são plurais. INCAL é um caso assim. Tornou-se um marco da ficção científica em quadrinhos. Reúne reputação, criadores consagrados, enredo e personagens inovadores.”

    – Paulo Ramos
    Blog dos Quadrinhos

    “INCAL é uma daquelas HQs que deixa o leitor boquiaberto, provoca taquicardia e faz com que ele fale alguns impropérios durante a leitura... É que a obra é boa demais mesmo!”

    – Eduardo Nasi
    Universo HQ

    “A história do chileno Alexandro Jodorowsky é uma louvável e imaginativa mistura de vertiginosa ficção científica e bem-humorada fantasia, potencializada pelo sempre magnífico traço do francês Jean Giraud, o Moebius.”

    – Érico Borgo
    Omelete



    ***************************

    Recentemente realizei um dos meus mais antigos desejos como leitor de quadrinhos, comprar e ler o Incal de Jodorowski e Moebius.

    Desde os anos 80 eu sabia da fama que a HQ desfrutava e ficava babando sempre que via um dos álbuns da Meribérica. Mas esses álbuns eram caros pra caramba, ainda mais para um estudante durango. Mais recentemente eu cheguei a encontrar algumas edições em sebo, mas acabei não comprando porque não sabia se algum dia iria encontrar a série toda. Quando a Devir anunciou que iria publicar eu fiquei decidido a comprar. Esperei encontrar os álbuns por um preço mais acessível e graças a pasta classificados, finalmente pude ler essa HQ.

    O meu medo era que após tanto tempo de espera, dificilmente a obra se mostraria à altura da expectativa. Mas, prezados, tenho que dizer que o material é foda e merece mesmo a fama que tem.

    Sobre a arte do Moebius acho que não preciso falar muito, o cara é simplesmente um dos maiores mestres da arte seqüencial. Ele está ao lado de caras como Will Eisner e Osamu Tesuka naquela restrita lista dos que mudaram a forma de se encarar quadrinhos.

    No roteiro do Jodorowski é que repousava meu medo. Temia que a história fosse um amontoado de bobagens new age datadas. Mas não, as viagens da história têm sua razão de ser. Sempre achei complicado esse lance de tentar entender o subtexto que o escritor quer passar em uma história. Muitas vezes o que se vê é neguinho enxergar as maiores disparates onde às vezes não existe nada. Vide os “teóricos” de Senhor dos Anéis que dão as mais diferentes interpretações para a saga, quando o próprio Tolkien afirmou que apenas quis escrever uma boa história. Mesmo assim vou me arriscar a dar meu pitaco.

    No caso do Incal, me parece que o tema em questão é a necessidade de crescimento espiritual por parte da humanidade. A história se passa em um mundo futurístico em que as massas se encontram entorpecidas, trancadas em seus apartamentos, paralisadas em frente à suas TV’s. Além disso a selvageria espreita na forma de mutantes que vivem longe das vistas de todos, se alimentando do lixo jogado no interior do planeta, talvez uma alegoria para os pobres do planeta. As classes aristocratas dominantes são gananciosas e só servem a seus propósitos.

    O culto Tecno é o canal usado pela Escuridão para atacar a nossa realidade. O que me parece uma forma de dizer que a busca desenfreada pelo progresso científico sem uma contrapartida espiritual é algo danoso. Tanto é que a única esperança para a humanidade vem do Incal, uma energia de poder divino.

    A salvação viria na busca por transformação. A trajetória do protagonista John Difool é emblemática. John, “o tolo” só quer saber de putas, uísque drogas. Ele não percebe que é um escravo de suas próprias limitações. Mas acabará passando por uma trajetória de iluminação. Não vou me estende mais para não revelar a trama.

    No meio disso tudo o autor usa uma série de símbolos e conceitos, Animah (o princípio feminino), o ser perfeito alquímico (o andrógino) etc. Mas não perde a história de foco. Enfim, o Incal é um clássico que merece ser lido por todo fã de quadrinhos que se preze.

    Em tempo, as edições da Devi estão muito caprichadas, cada uma contendo o equivalente a dois álbuns originais. A nova colorização ficou muito bonita, mas não sei se era necessária. Estranhei um pouco, provavelmente por já estar acostumado com o desenho do Moebius colorido de forma mais tradicional.

    0

  • #2
    eu nào sou tão velhinho como você, rs...mas também sempre quis ler essa história.

    e também não me decepcionei. muito bom mesmo!

    tanto que já reli ela toda.

    agora está saindo o "Antes do Incal", já cofrei a primeira edição é tá bem bacana também...

    apesar de nào ter o Moebius.

    PS: ah! sim...também achei desnecessária a nova colorização, fiquei esquisito pacas...mas nào compromete.
    5 ANOS SEM FUMAR e contando....

    Comment


    • #3
      Incal é incrivel, mas eu acho "Casta dos Metabarões" melhor
      Eu sou fã confesso do jodorowsky, porque sou fã de quadrinhos e cinema e ele é um gênio nas duas midias! dos diretores surrealistas os mais aclamados pelo que lembro sõ ele o lynch e o buñuel
      Obs: Incal surgiu do projeto de Duna do jodorowsky, no final quem fez o filme foi o lynch

      Comment


      • #4
        A Devir lançou a série por completo ou ainda está devendo as edições finais?
        "Ser corinthiano é ir além
        De ser ou não ser o primeiro.
        Ser corinthiano é ser também
        Um pouco mais brasileiro."

        Comment


        • #5
          Acho que saiu tudo.
          É um erro imaginar que o horror está indissoluvelmente associado à escuridão, ao silêncio e à solidão.
          (H. P. Lovecraft)

          Sabedoria não tem limites.

          Comment


          • #6
            Jodo é legal, Aleph Thau é muito massa. Quem não gosta não leu ou só viu aqueles filmes de merda.

            Comment


            • #7
              Postado originalmente por dãozinho
              Acho que saiu tudo.
              Ao contrário de Invisíveis, saiu tudo sim.

              Quer dizer, sairam os seis álbuns da série original. E é uma história fechada, com começo, meio e fim.

              Tem alguns "spin-offs" como a Saga dos Meta-Barões e "Antes do Incal" (que é um prequel), mas nada que seja requesito para ler os álbuns da Devir. A primeira teve um álbum publicado dentro de uma das edições brasileiras da Heavy Metal e a segunda teve seu primeiro álbum publicado pela Devir.

              Comment


              • #8
                Esses spin-offs, são da mesma equipe criativa?

                Comment


                • #9
                  Postado originalmente por Mutuna
                  Esses spin-offs, são da mesma equipe criativa?
                  Mesmo escritor, desenhistas diferentes. Ou seja, não tem Moebius.

                  Comment


                  • #10
                    Foda, queria ler. O problema é pagar tanto pra ler álbuns com tão poucas páginas.

                    Comment


                    • #11
                      Tá morrendo quando por edição?
                      "AVATAR E ASSINATURA REMOVIDOS POR ULTRAPASSAREM O LIMITE DE 30KB"

                      Comment


                      • #12
                        Preço de capa acho que é uns 40 e poucos por edição. Eu comprei na classificados os três álbuns por 90 pilas, com um cara que estava fazendo uma liquidação de estoque da gibiteria dele.

                        Comment


                        • #13
                          Pagar R$40,00 por 100 páginas sai um pouco salgado, mas acredito que deva valer a pena. Vou comprando aos poquinhos, mas só no ano que vem mesmo.
                          É um erro imaginar que o horror está indissoluvelmente associado à escuridão, ao silêncio e à solidão.
                          (H. P. Lovecraft)

                          Sabedoria não tem limites.

                          Comment


                          • #14
                            Dão, o lance é não ter pressa e esperar por uma boa oportunidade. Na Banca 2000 por exemplo já é um pouco mais barato. Talvez em eventos como o FIQ role um desconto. Tem a pasta classificados. etc.

                            Comment


                            • #15
                              Exatamente. É o que tou fazendo com o Sandman da Conrad, comprando aos poucos, sem pressa. Até porque só vou poder comprar qualquer uma das edições ano que vem. Este ano vá fechamos o caixa.
                              É um erro imaginar que o horror está indissoluvelmente associado à escuridão, ao silêncio e à solidão.
                              (H. P. Lovecraft)

                              Sabedoria não tem limites.

                              Comment

                              Working...
                              X