Anúncio

Collapse
No announcement yet.

[AVALIAÇÃO/REVIEW/RESENHA] Luzes de Niterói

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • [AVALIAÇÃO/REVIEW/RESENHA] Luzes de Niterói



    Depois de tantos prêmios e a aclamação internacional, Marcello Quintanilha volta agora à cidade onde nasceu e cresceu, Niterói. Ele mergulha nas águas da Baía da Guanabara e traz de lá uma trama baseada em fatos reais, acontecidos nos anos 1950. Uma aventura cheia de suspense, que envolve pescadores, futebol, a vedete Luz del Fuego e o primeiro campo naturista do Brasil. Ao mesmo tempo, uma formidável história de amizade e um retrato do Brasil dos anos 1950.

    Do mesmo autor de Tungstênio (2014 – prêmios Angoulême e Rudolph Dirks), Talco de Vidro (2015), Hinário Nacional (2016 – prêmio Jabuti) e Todos os Santos (2018).

    “Filho de um ex-jogador profissional de futebol, o autor conhece esse universo com intimidade e faz um impressionante afresco social, mais próximo de Balzac que da crônica esportiva. Mas Luzes de Niterói vale especialmente pela aventura humana e marítima vivida por seus protagonistas, Hélcio e Noel, numa verve tragicômica digna do cinema de Dino Risi, e que revela uma enorme e pungente amizade. Com Quintanilha, o quadrinho brasileiro tem seu Homero!” Télérama (França)

    “A figura de proa da nova história em quadrinhos brasileira” – Livres Hebdo

    “Marcello Quintanilha emprega aqui todo seu talento de desenhista e, acima de tudo, de contador de histórias” Books

    “Formidável!” Europe 1

    “Marcello Quintanilha é o rei do suspense” – Les Cahiers de la Bande Dessinée

    “A arte de Marcello Quintanilha está na combinação de folhetim cheio de emoção e história vibrante, suspense e picaresco”. Le Monde
    Marcello Quintanilha está de volta e dessa vez ele misturou ficção com realidade ao contar a história de Hélcio, um lateral direito (na época um beque direito), jogador de um clube dos anos 50 na Guanabara. A trama foca na amizade entre o jogador e Noel, ou Calunga, um homem com severas deformidades físicas, que sofre um preconceito velado da sociedade. Ambos resolvem sair para buscar peixes no meio da baia para vender, e com isso, eles se envolvem em problemas maiores, como uma tentativa de assassinato por naturalistas, uma tempestade e outros problemas.

    Seguindo a cartilha de sempre, Quintanilha faz um gibi em que não existem muitos subplots ou algo parecido, a história segue um fio e vai nela até o fim. Só mais pro final que um outro núcleo ganha um destaque, mas um destaque que faz sentido dentro do contexto geral da coisa. O gibi atinge o ápice mesmo na sequência das páginas 137-142 em um momento de cortar o coração de qualquer pessoa com um pingo de sentimentos dentro de si.

    Acredito que esse foi o gibi do autor com menos "mensagens" ou "ter o que pensar" se é que se pode falar isso, bem ao contrário de Hinário Nacional ou Talco de Vidro, por exemplo. É uma história simples e sem invencionice, bem com o climão dos anos 50. Vale destacar o esforço do autor em inserir expressões e palavras da época, algo que só serve para enriquecer a obra. Fiquei feliz com a mensagem do final, mostrando que certas coisas são evitáveis, mas o importante é reconhecer que se cagou na madeira.

    Outro ponto a se destacar são as cores, trabalho foda mesmo. A edição da Veneta está muito bem feita, e só detectei um único erro em todo o gibi que foi a falta da explicação da palavra "Sururu" na página 190, mas é algo pequeno demais para se preocupar.

    Enfim, mais um golaço do autor que até o presente momento não escreveu um único gibi ruim na vida.

    Os financiadores da edição no Catarse receberam antes de todos, sendo que o gibi só estará disponível ao grande público a partir da primeira quinzena de março. Recomendo que todos comprem a edição, vale a pena demais.

    Comprem!


    Postado originalmente por Gesuis
    Eu, um cara com certo conhecimento e bagagem, que é ligado em música nem sabia que um deles tinha morrido, de tão relevante que eles são.
    Comentando sobre os Beastie Boys


    www.twitter.com/matheuslaneri

    Siga-me!

  • #2
    Re: [AVALIAÇÃO/REVIEW/RESENHA] Luzes de Niterói

    Estou lendo, e "sururu" é exemplificada antes da página 100.

    Enviado de meu SM-G955U1 usando o Tapatalk
    Last edited by luizsidi; 23-02-2019, 06:16 PM.

    Comment

    Working...
    X