Anúncio

Collapse
No announcement yet.

Se mexer ai, eu mato a minha familia!!

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • Se mexer ai, eu mato a minha familia!!

    Brasileiros e brasileiras,

    Percebo que muita gente reclama que, um dos problemas fulcrais de nossas queridas hqs está na manutenção excessiva do status quo dos personagens. Os antigos leitores apontam na rotina e na previsibilidade como os principais fatores para desmotivá-los a continuar a leitura dos quadrinhos.

    Realmente, a interminável saga de "Coringa mata - Batman prende - Coringa foge e mata - Batman prende" ou "Psiriko rouba a toca do Tatu - Tatu maldiz Psiriko - Psiriko rouba o rim do Tatu - Tatu maldiz Psiriko" enche a paciência. Porém, há como quebrar esses estigmas? Ou melhor: deve um roteirista mudar a característica de um personagem?

    Seria adequado, por exemplo, o Batman matar o Coringa? Isso não mudaria completamente o personagem? Deixaria o Batman de ser aquele morcego que aprendemos a amar?

    Poderiam os X-Men serem idolatrados pela multidão que juraram proteger?

    Não seria muito estranho o Kyle Rainer virar macho?

    Claro, ninguém aqui fica puto se um restolho como o Flautista vira herói, depois de anos como vilão. Ou então, transformar a Cassandra (ex-Batgirl) em CHEFE DE UMA LIGA LOUCA E ASSASSINA. Porém, o problema é quando a gente mexe com os chamados ícones.

    Não podemos esquecer também que cagadas já foram feitas, em nome da "atualização do herói". Sobretudo nos anos 90, quando a tendência "mudar tudo o que você conhece sobre o super-fulano" virou moda. Ai, o Super virou elétrico e ganhou uma metranca, o Batman-Azrael tornou-se violento, o Wolverine ganhou garras de osso, etc.

    Enfim: até onde um escritor pode mudar a característica de um herói conhecido? Em nome de uma boa história, ele pode desconstruir 50 anos de histórias? Existem pontos imodificáveis em certos personagens?

    Desenvolvam! Vou trabalhar e volto mais tarde!

    Não importa o quanto você se esforce, é impossível ser cool em Belém do Pará

  • #2
    Por mais incrível que pareça, o Batman é um personagem cujas mudanças no status quo do seu "universo" me parecem mais perenes e relevantes. O afastamento de Jim Gordon do GCPD e o novo "status" do Pingüim são dois exemplos. Pra não mencionar os Robins...

    Esse rame-rame com o Coringa é um saco mesmo, mas dentro da mesmice geral me parece bem pontual, com o perdão da rima.
    "Uma das pessoas menos agradáveis do MBB." - SJWscott

    Comment


    • #3
      Postado originalmente por Mr. Mojo Risin
      Por mais incrível que pareça, o Batman é um personagem cujas mudanças no status quo do seu "universo" me parecem mais perenes e relevantes. O afastamento de Jim Gordon do GCPD e o novo "status" do Pingüim são dois exemplos. Pra não mencionar os Robins...

      Esse rame-rame com o Coringa é um saco mesmo, mas dentro da mesmice geral me parece bem pontual, com o perdão da rima.
      O pior é que o Gordon já voltou à GCPD.

      E é isso que, por vezes, fode minha paciência: uma coisa é você não querer alterar a essência de um personagem. Mas, porra, é imperioso que o Gordon seja o Comissário ad eternum? A Tia May TEM que estar viva? Nem os coadjuvantes podem sofrer mudanças substanciais?

      Chifradas,

      Não importa o quanto você se esforce, é impossível ser cool em Belém do Pará

      Comment


      • #4
        Bom, eu acho que VAREIA. Não acho justo ver os gibis dentro de um panorama GERAL. As fases vem e vão.

        Uma hora vão usar o Gordon, outra não. Mas o Gordon faz parte da história do Batman, então ele invariavelmente vai voltar, em algum momento, ao status 'oficial' dele. E isso serve pra qualquer personagem importante dentro da mitologia de qualquer grande personagem.

        O importante é que as mudanças não garantem que as histórias sejam boas, tampouco o engessamento de certas circunstâncias.

        ASSIM SENDO, eu gosto de mudanças bem escritas, e gosto quando volta ao básico e continua bem escrito. A fase do Batman é back to basics total, muito bom. A fase do Homem de Ferro é bastante inovadora, e é muito bom também.
        Inscreva-se na ALMANACÃO, minha newsletter sobre quadrinhos > http://eepurl.com/b3_M4v

        Comment


        • #5
          DEMOLIDOR é um bom exemplo de personagem, que desde a fase Miller, está em constante evolução... de "queda em queda" o Murdock vai evoluindo!!!

          Comment


          • #6
            Só não podem mexer no Super-Homem .

            Comment


            • #7
              Pode sim. O problema é manter essa alteração com o passar do tempo ou com a troca de equipes criativas sem fazer a personagem perder o Rumo.

              X-Men que você citou, é um bom exemplo. O run do Morrison deu uma boa revigorada no título, acabou aquela merda de temidos e odiados e os X-Men ficaram cool e descolados, deixaram de ser um grupelho de super-heróis para se tornarem uma organização formal e eficiente. E tudo isso sem perder o conceito original.
              O problema é que como sempre tudo voltou ao normal e o proprio Morrison, não sei se por falta de talento ou pressão editorial, involuiu as boas idéias que teve.

              A verdadeira questão é saber se é possível um personagem mudar de tempos em tempos sem ocorrer o tal do "back to basics" entre essas épocas.

              Comment


              • #8
                Gibis de super-heróis são mesmo eternas pegadinhas do Mallandro, é do gênero, não adianta.

                As "cronologias" dos heróis estão sendo escritas há 70 anos em alguns casos, com "resets" regulares ao longo das décadas.

                Isso porque o mais importante dos heróis são suas essências, e não suas novelinhas das 8.

                O Super-Homem: último sobrevivente de Krypton, ganhou super-poderes na Terra, é o mais poderoso de todos e o mais bonzão dos super-heróis. Ponto.

                O Batman: viu seus pais serem assassinados quando criança e jurou combater o crime sob todas as suas formas na forma de um assustador Homem-Morcego, usando suas técnicas de luta e de investigação. Relógio.

                Criem e matem coadjuvantes, saidequiques, parente e vilões, e depois ressuscitem todo mundo de volta. Mudem uniforme, a namorada, o QG, destruam o universo e recriem tudo de novo.

                Sempre haverá um leitor novo querendo saber da história por trás dos heróis de suas lancheiras, mochilas e videogames. Esses leitores sempre pegarão o bonde andando, acompanharão mudanças "drásticas" na vida do personagem e algumas décadas mais tarde, depois de sofrer com vários RÁÁÁÁÁÁÁÁ das editoras, se cansará disso e parte pra outros gêneros ou se acostuma com a companhia do Serginho Mallandro e não liga tanto assim quando descobre que na verdade o cachorro do seu super-herói sempre foi o grande vilão por trás de tudo.

                Resumidamente: é da natureza dos gibis de super-heróis (e uma necessidade de mercado) que fique eternamente com mudanças "radicais" que, no fim do dia, não mudam porra nenhuma mesmo.
                ùltima Leitura: Razoável
                sigpic
                Mister No #6 (RECORD)

                http://www.tumblr.com/blog/ultimaleitura

                Comment


                • #9
                  Postado originalmente por Goyo
                  Resumidamente: é (...) uma necessidade de mercado) que fique eternamente com mudanças "radicais" que, no fim do dia, não mudam porra nenhuma mesmo.
                  e é isso.

                  Comment


                  • #10
                    Ainda bem que o Gordon voltou, aquele comissário restolho era muito chato...

                    E adorei ver o Magneto substituindo Xavier nos Xis-Men, mas a maioria dos leitores não.

                    Mas é o gênero: outros exemplos:

                    Caveira vermelha dado como morto e depois - surpresa - descobrem que ele está vivo!

                    Peter decide deixar de ser o Homem-Aranha, mas se lembra da sua responsabilidade.

                    Alguém abandona o Quarteto...
                    É fácil quando se sabe.

                    Comment


                    • #11
                      Re: Se mexer ai, eu mato a minha familia!!

                      Postado originalmente por Minotauro
                      o Batman-Azrael tornou-se violento, o Wolverine ganhou garras de osso, etc.
                      Eu gostei disso.
                      “Back like lateral passin'
                      With that motherfuckin' gladiator manner of rappin'
                      As an addict I let percocets and xannies relax me
                      Fall back if your paddies is Maxi, please”

                      Comment


                      • #12
                        Para mim cansou um pouco mesmo.

                        Por exemplo: não entendo como depois de o próprio Peter revelar sua identidade o povo clamar pelo herói mascarado. Porra, que puta evolução! O que mais faltava na vida do Parker era evoluir - depois do reboot da Saga do Clone - e qdo alguem faz alguem direito como foi feito os fãs nerddys e babões reclamam e esperneiam.

                        Outro exemplo: há muito tempo eu acho que vai chegar a hora que os sideckicks deverão tomar o manto do seu predecessor. E não estou falando de restolhos como o Flash, falo de Dick Grayson como Batman - essa seria uma idéia ótima para talvez se livrar de forma convicente de karmas como Coringa e Charada, por exemplo. Com um novo Batman por baixo da mascara e uma nova motivação, novos vilões se fariam necessários.

                        Comment


                        • #13
                          O que eu acho que podia dar uma melhorada era a o utilização de vilões. O pessoal devia tentar ser mais criativo e "Inventar" vilões novos que terminasse o arco morrendo e indo pro inferno, e deixar os clássicos para aparecem muito raramente. Ninguém suporta mais ver o Coringa fugir do Arkhan.
                          PROTETORES NACIONAIS: protetoresnacionais.com

                          Comment


                          • #14
                            Isso que o Bigas falou é importante: será possível um Bruce Wayne se aposentar?

                            Eu, pessoalmente, acho improvável. O cara tem filmes, seriados, desenhos, enfim, uma mitologia que transcede a mídia dos quadrinhos e que identifica a figura do Batman com o Bruce.

                            Logo, acho impossível que a DC (ou a Marvel, com o Peter, por exemplo) jogue essa tradição no lixo.

                            Chifradas,

                            Não importa o quanto você se esforce, é impossível ser cool em Belém do Pará

                            Comment


                            • #15
                              Possível é.. mas se você pega um novo Batman, com novas motivações, novos vilões/coadjuvantes.
                              Porra.. vc matou uma franquia que rende muito e criou outra.

                              É o clássico trocar o certo pelo duvidoso.

                              Comment

                              Working...
                              X