Anúncio

Collapse
No announcement yet.

[AVALIAÇÃO] - Homem-Aranha & Os Campeões #9

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • [AVALIAÇÃO] - Homem-Aranha & Os Campeões #9



    O Ciclope está fora de controle! Como os Campeões vão deter o Homem Psíquico e manter seu colega de equipe longe de encrencas? E, enquanto se recupera do violento ataque do Cabeça de Martelo, Miles Morales se questiona se é hora de deixar de ser o Homem-Aranha!

    76 páginas - R$10,50

    Spider-Man #19 e #20; Champions #12

    Miles Morales: Duas histórias de extremos. A primeira anda a passos de tartaruga, com muitos diálogos e crises existenciais. Na segunda, Miles viaja até o Japão e se envolve em uma treta misteriosa. Mas vamos por partes.

    A primeira história se resume a Miles chorando as pitangas com Ganke e questionando seu papel como Homem-Aranha. É até coerente que o garoto faça isso, já que, recentemente, ele quase foi morto pelo Cabeça de Martelo, além de ter sido um dos pivôs da separação de seus pais.O problema é o roteiro fica o tempo todo nessas divagações, tornando a leitura massante e arrastada. Além disso, a gente chega ao final do capítulo com a sensação de que não aconteceu praticamente nada. E, na verdade, não aconteceu mesmo.

    Na segunda história, Bendis resolve acelerar as coisas, e faz Miles Morales viajar até o Japão, porque SIM. Embora a motivação do garoto pudesse ser mais bem trabalhada,a história consegue ser mais interessante, já que tira o herói de seu cenário habitual e o leva para um local exótico como o Japão. Além disso, o roteiro cria um mistério, despertando a curiosidade pelo(s) próximo(s) capítulo(s).

    Bendis aproveita a incursão de Miles no Oriente para trazer de volta a tal de Tomoe, que apareceu nas primeiras edições de O Invencível Homem de Ferro (também escrito por Bendis). Abandonei a série logo depois do primeiro arco,mas, na ápoca, a personagem não me chamou muita atenção. Vejamos o que via rolar agora.

    Campeões:
    Mark Waid mantém a estrutura de tramas episódicas e foco da vez recai sobre Ciclope, que libera todas suas emoções reprimidas, após um ataque do Homem Psíquico.

    A ideia principal é meio bobinha, mas Waid a utiliza bem, para trabalhar um pouco a psique do Ciclopinho. A situação gera alguns momentos galhofas (como Scott fazendo manobras radicais com o jato da equipe, só pra curtir), mas foram as partes tensas que me agradaram mais. Principalmente quando o roteiro mostra o peso carregado pelo Ciclopinho, tanto pelas limitações impostas por seu poder mutante, quanto pelo medo de seguir o mesmo caminho de sua versão adulta (que, inclusive, assassinou o Professor Xavier).

    U saro Homem Psíquico foi uma boa ideia. Pena que o vilão seja apenas a desculpa para Ciclope se soltar, mal tendo um plano para justificar suas ações e sendo facilmente surrado pelos heróis.
Working...
X