Anúncio

Collapse
No announcement yet.

[AVALIAÇÃO] Demolidor #16 - FAZENDO JUS AO AUMENTO DE 16% DO JUDICIÁRIO!

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • [AVALIAÇÃO] Demolidor #16 - FAZENDO JUS AO AUMENTO DE 16% DO JUDICIÁRIO!


    Imagem cortesia do site Guia dos Quadrinhos postada por usuário EDER EMERSON ARAUJO


    A Panini é tão safada e com descaso tão grande que CAGA E ANDA pros seus gibis publicados, não havendo press release oficial de gibi da série do Demolidor e da linha mutante já tem uns ANOS. Se você ir procurar a porra do gibi no site safado deles, onde nem a ferramenta de busca RESPONDE em várias ocasiões, não vai encontrar porra nenhuma porque eles só disponibilizam DEPOIS que os gibis retornam a editora e essa porra ainda está nas bancas.

    Então você, lombadeiro pechincheiro safado, pode comprar esse gibi de boa porque ele tem uma história fechada com alguma repercussão cronológica, mas dá um desconto que essa porra de série é publicada tem mais de 50 anos. A história é que o Matt Murdock depois do aumento do judiciário, agora que ele é procurador da Lava Jato sítio New York, quer implementar uma nova jurisprudência fuderosa do piru pra mandar a bandidagem toda pra cadeia, até o Alquimim. Em meio a tudo isso, lá vem os fantasmas do passado na figura do Ponto Cego vir pedir a sua cobrança. E o salário de estágio no fórum. LULA LIVRE!


    Como eu tento não ser um preguiçoso safado, pelo menos no quesito gibis, lá vai a sinopse tirada diretamente da contra-capa do gibi:

    Depois de todos os sacrifícios que Matt Murdock teve de fazer para guardar novamente o segredo de sua identidade, perdendo, no processo, a mulher que ama e o melhor amigo, ele agora tem um ousado plano para acabar de vez com toda a criminalidade da cidade de Nova York: testemunhar em tribunal, não como um cidadão comum, mas c omo o super-herói Demolidor! Mas seu plano vai provocar a ira do maior líder da criminalidade nova-iorquina, e pode pôr tudo a perder! E ainda: uma viagem à China para reencontrar seu parceiro e aprendiz Ponto Cego! Mas... será que ele ainda é o mesmo?

    Este volume de 180 páginas reúne as histórias originalmente publicadas em Daredevil 21-28 com roteiro de Charles Soule e arte de Goran Sudzuka, Alec Morgan e Ron Garney.


    (Daredevil 21-28)


    Publicação eventual
    Formato 17 x 26 cm
    180 páginas
    Lombada quadrada
    Capa cartão, LWC
    R$ 26,90
    Distribuição nacional
    Panini 2º série
    --------------------------


    Supremo: a história começa com o Demolidor, Luke Cage e Silêncio agindo contra uma unidade terrorista e quase pondo tudo a perder porque vigilantes não testemunham em corte. Devido a decisão jurídica do Matt, agora como procurador da cidade de Nova York, sabe-se lá como, de querer colocar o Demolidor como TESTEMUNHA contra o crime e abrir precedente para fazer isso com tudo que é criminoso em Nova York pra acabar com a "porta-giratória" da Justiça.




    Olha..., complicado esse gibi. Não é um gibi fácil, não é sequer um gibi onde existem GRANDES MOMENTOS. Eu ainda digo que em vários momentos ainda foi uma história CHATA MESMO, porque quer colocar aquela "realidade cruel" das leis e do papel no mundo colorido dos super-heróis. A ideia é que juridicamente você ter um vigilante que espanca um criminoso e o deixa pra polícia é TOTALMENTE DUVIDOSA, e é romanceada a questão de você ter uma força externa que "entrega pra polícia os criminosos numa bandeja" e se espera que "criminosos paguem por seus crimes", mas adevogado é um bicho TÃO SAFADO que essa "brecha jurídica" é TOTALMENTE UTILIZÁVEL pra fazer com que os criminosos "que importam" se safem mais fácil do que político com foro privilegiado no Brasil.





    Se em termos de narrativa e ação a história é "chatona", em termos de inventabilidade, diálogos e até mesmo originalidade, é uma coisa bem única. Bem diferente e longe de ser "comunzona". Até mesmo como "história de tribunal", eu particularmente creio que seja uma das mais ÚNICAS que existam, onde o Murdock leva até as últimas consequências, levando o grande caso ao SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL ENFRENTANDO O GILMAR MENDES DOS ESTADOS UNIDOS!



    o maior inimigo do Murdock na história: o adevogado LEGAL, do time de adevogados do KAKAY aqui no Bostil - toda a justiça pros mensaleiros e petroleiros, esses coitadinhos


    É pela primeira vez, ou ao menos a primeira vez que eu vi, um autor de gibizinho infanto-juvenil trazer a questão a um novo patamar, ao patamar jurídico-processual REAL que existe se houvesse uma entidade esmurrando supertraficantes e mafiosos por aí. Neste quesito o gibi é excelente e se sobrepõe aos demais. Então temos um meio termo aqui. Enquanto a história pode ser considerada tediosa em um sentido, por outro é algo bem inovador e ousado, do seu autor, Charles Soule.





    Confesso que a história é mesmo meio "cacetinho", mas é uma boa leitura. A história definitivamente tem aquele "algo a mais", só a junção que não ficou tão legal. Tá faltando drama e tem "juridiquês" em excesso. E eu ainda tô lendo um gibi e não uma peça jurídica, se tivesse, não tava aqui fudido e mal pago com dívida de gibi. Tem umas lutas pontuais envolvendo a Mulher-Hulk e o Lápide (aliás, a conclusão com o Lápide é sensacional ), mas nada que vá deixar o leitor com o coração na boca. O mais surreal é quando o Murdock finalmente chega ao Supremo e começa o seu "argumento" e como foi retratado pelo artista. Faltou seriedade, mas ficou bem legal.




    OBJECTION! OVERRULED!

    Enfim, uma história que pode até ser arrastada e algumas vezes dá sono, cheio de texto que não contribui com a narrativa. Definitivamente o ponto mais baixo do Soule no título. Mas em termos de ousadia e inventividade do autor, além de uma BOA narrativa (a história pode ser chata, mas nunca é "travada") e diálogos inspirados, é um gibi que de forma alguma é intragável ou difícil de digerir. É até interessante em ver se VAI HAVER ALGUMA REPERCUSSÃO no resto do Universo Marvel por causa de uma história IMPORTANTE como é esta, embora num nível puramente institucional do universo, o que é difícil de se ver habitualmente. O Charles Soule é como se fosse o Tite do Demolidor. Na arte, colaboram Goran Sudzuka num traço mais firme e grosso que o normal (excelente) e o frescor da novidade do Alec Morgan, muito bons.



    esse filha da puta do Foggy "só" teve o câncer curado pelo Demolidor e faz cu doce proque o Demolidor não contou pro amiguinho sua identidade


    Terra de Cego: pra finalizar o gibi temos uma história em três partes mais "pé no chão" no campo dos super-heróis, um ambiente mais familiar e sem muita ambição. Chamado por uma mensagem que recebe a irmã do Ponto Cego, o Demolidor viaja a China em busca de seu companheiro, mas termina entrando numa fria. Uma "volta ao feijão com arroz" do personagem, embora ainda mude o cenário totalmente do personagem. Lembra Karatê Kid 2.





    É uma história até banal, mas é bem legal ver o Ponto Cego de volta a ação e uma espécie de "origem" do personagem, "abrindo os olhos", com o perdão da expressão, do Demolidor para a realidade dos outros. Mesmo sendo banal, a história não ofende, e é sempre bem divertido ver o Demolidor enfrentando ninjas e ainda coroada pela arte exuberantemente dinâmica do Ron Garney. O final dá um gancho filha da puta pra série do Demolidor.



    essa porra de Demolidor ganhou de volta o PRESENTE de ter a identidade secreta de volta de maneira inteligente e não se aguenta e já se revela pra todo mundo


    Editorialmente o gibi está bem, não vi nenhum erro ortográfico ou gramático digno de nota e que não seja para a fluência da leitura. Ao final da edição, capas originais e ainda algumas alternativas. O que fizeram questão de FODER foi as letrinhas pequenas com a edição original americana e a data que foi publicada: tem história que não tem essa indicação (edição #27), umas duas com a indicação de "setembro" e TRÊS com indicação de "agosto", erroneamente. As edições aqui publicadas compreendem o que foi publicado QUINZENALMENTE entre Junho e Outubro em 2017 nos Estados Unidos, como pode ser visto no site oficial da Marvel, aqui.
    1

  • #2
    Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #16 - FAZENDO JUS AO AUMENTO DE 16% DO JUDICIÁRIO!

    Eu gostei da parte do tribunal mais que a do Ponto Cego, no geral foi um encadernado superior que o anterior. A fase do Soule é menos legal que a do Waid, mas é bacana.

    Comment


    • #3
      Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #16 - FAZENDO JUS AO AUMENTO DE 16% DO JUDICIÁRIO!

      Postado originalmente por Dylan Dog Ver Post
      Eu gostei da parte do tribunal mais que a do Ponto Cego, no geral foi um encadernado superior que o anterior. A fase do Soule é menos legal que a do Waid, mas é bacana.
      Eu acho a fase do Soule muito superior a do Waid.

      Essa história foi a mais fraca até agora e propõe algo bem diferente para todo o universo marvel, em questões institucionais

      Resta saber se o resto dos autores vai receber o memorando

      Comment


      • #4
        Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #16 - FAZENDO JUS AO AUMENTO DE 16% DO JUDICIÁRIO!

        Eu tô achando essa fase do Soule do demolidor tão boa quanto do Waid, apesar de que o início dessa nova fase (volume 12) eu achei meio ok, até pq senti que o Soule desconsiderou meio que todo o desenvolvimento da fase do waid, mas os volumes seguintes vieram numa crescente muito boa.

        Achei esse volume um dos melhores (junto com o anterior em que o Soule cria uma saída genial para resetar a identidade secreta do demolidor ). Eu já achei as partes com ação bem boas e como sou fã de séries envolvendo tema de direito, pra mim foi bem interessante e divertido todo o arco "Supremo" em que o Soule faz o Matt a apresentar um plano genial pra permitir que os vilões sejam presos em definitivo. Além da parte envolvendo direito, a perseguição ao Matt pelo lápide foi bem boa tb, inclusive com a conclusão genial do Lápide que o Pato mencionou

        O arco posterior do Ponto cego foi bom também (apesar de eu ter curtido mais o Supremo), e só desenvolveu mais essa mitologia que o Soule tem criado desde a primeira edição dele.

        O foda é que a edição termina num gancho tão interessante (sacana ), que vai ser uma merda ter que esperar uns 4 meses pra ler o desenrolar

        Postado originalmente por Pato_Osborn_Olsen Ver Post
        Eu acho a fase do Soule muito superior a do Waid.

        Essa história foi a mais fraca até agora e propõe algo bem diferente para todo o universo marvel, em questões institucionais

        Resta saber se o resto dos autores vai receber o memorando
        Duvido que algum autor tenha aproveitado algo dessa nova mudança no universo Marvel, justamente pq foi algo bem urbano.
        Acho que isso se pá só será usado mesmo no título do Demolidor ou então caso o Soule escreva outro título de algum Super herói urbano
        Last edited by Scarzyx; 27-08-2018, 02:46 AM.

        Comment


        • #5
          Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #16 - FAZENDO JUS AO AUMENTO DE 16% DO JUDICIÁRIO!

          Soule poderia muito bem ter sido aproveitado nos Detran Defensores depois da saida do Bendis.

          Enviado de meu Moto G (5) usando o Tapatalk

          Comment


          • #6
            Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #16 - FAZENDO JUS AO AUMENTO DE 16% DO JUDICIÁRIO!

            Postado originalmente por Scarzyx Ver Post
            Eu tô achando essa fase do Soule do demolidor tão boa quanto do Waid, apesar de que o início dessa nova fase (volume 12) eu achei meio ok, até pq senti que o Soule desconsiderou meio que todo o desenvolvimento da fase do waid, mas os volumes seguintes vieram numa crescente muito boa.

            Achei esse volume um dos melhores (junto com o anterior em que o Soule cria uma saída genial para resetar a identidade secreta do demolidor ). Eu já achei as partes com ação bem boas e como sou fã de séries envolvendo tema de direito, pra mim foi bem interessante e divertido todo o arco "Supremo" em que o Soule faz o Matt a apresentar um plano genial pra permitir que os vilões sejam presos em definitivo. Além da parte envolvendo direito, a perseguição ao Matt pelo lápide foi bem boa tb, inclusive com a conclusão genial do Lápide que o Pato mencionou

            O arco posterior do Ponto cego foi bom também (apesar de eu ter curtido mais o Supremo), e só desenvolveu mais essa mitologia que o Soule tem criado desde a primeira edição dele.

            O foda é que a edição termina num gancho tão interessante (sacana ), que vai ser uma merda ter que esperar uns 4 meses pra ler o desenrolar
            O maior desenvolvimento da fase Waid foi ter abordado o assunto que por trás de toda a visão "prafrentex" e as piadinhas do Matt que ele estava sofrendo de depressão ou algo assim, mascarando os seus reais sentimentos frente as desgraças que se ocorreram.

            Esse plot não foi desenvolvido, foi mencionado no começo do run e depois nunca mais mencionado. Se for falar em "desconsiderar", o Waid também desconsiderou que nos anos anteriores ocorreram uma série de desgraças com o Matt. Então, desconsiderar por desconsiderar, eu acredito que o Soule esteja fazendo um trabalho mais consistente do que o Waid no título.

            Não que o Waid tenha sido ruim, muito longe disso, mas me IRRITAVA DEMAIS que toda coisa apoteótica que ele inventava era resolvido da maneira mais pueril possível, o pior sendo a organização das cobras racistas ser desbaratada porque a Cristie fez um discurso emotivo.

            Sobre o principal arco do encadernado, Supremo, fica realmente questão de gosto: se a pessoa acha ótimo coisas de tribunal (e olha que eu também gosto) vai achar a história ótima, mas se formos analisar por outro lado, ela falha ao não deixar o drama a flor da pele em seu momento de clímax: a jurisprudência que foi adotada, mal comparando, é como se fizessem uma história de como o Supremo aprovou prisão a partir da segunda instância aqui no Brasil (e às vezes, é até mais emocionante o Supremo brasileiro). Como é uma regra institucional, e que nem vai afetar muito o seguimento das histórias (não é como se tivessem abolido o apartheid), o drama criado é quase nulo.

            O arco posterior foi só pra avançar a relação entre Demolidor e Ponto Cego. Não achei um arco apressado. E também ansioso para os próximos capítulos. Muito boa essa fase do Soule.


            Postado originalmente por Scarzyx Ver Post
            Duvido que algum autor tenha aproveitado algo dessa nova mudança no universo Marvel, justamente pq foi algo bem urbano.
            Acho que isso se pá só será usado mesmo no título do Demolidor ou então caso o Soule escreva outro título de algum Super herói urbano
            Bem capaz mesmo.

            Comment


            • #7
              Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #16 - FAZENDO JUS AO AUMENTO DE 16% DO JUDICIÁRIO!

              Postado originalmente por Pato_Osborn_Olsen Ver Post
              O maior desenvolvimento da fase Waid foi ter abordado o assunto que por trás de toda a visão "prafrentex" e as piadinhas do Matt que ele estava sofrendo de depressão ou algo assim, mascarando os seus reais sentimentos frente as desgraças que se ocorreram.

              Esse plot não foi desenvolvido, foi mencionado no começo do run e depois nunca mais mencionado. Se for falar em "desconsiderar", o Waid também desconsiderou que nos anos anteriores ocorreram uma série de desgraças com o Matt. Então, desconsiderar por desconsiderar, eu acredito que o Soule esteja fazendo um trabalho mais consistente do que o Waid no título.

              Não que o Waid tenha sido ruim, muito longe disso, mas me IRRITAVA DEMAIS que toda coisa apoteótica que ele inventava era resolvido da maneira mais pueril possível, o pior sendo a organização das cobras racistas ser desbaratada porque a Cristie fez um discurso emotivo.

              Sobre o principal arco do encadernado, Supremo, fica realmente questão de gosto: se a pessoa acha ótimo coisas de tribunal (e olha que eu também gosto) vai achar a história ótima, mas se formos analisar por outro lado, ela falha ao não deixar o drama a flor da pele em seu momento de clímax: a jurisprudência que foi adotada, mal comparando, é como se fizessem uma história de como o Supremo aprovou prisão a partir da segunda instância aqui no Brasil (e às vezes, é até mais emocionante o Supremo brasileiro). Como é uma regra institucional, e que nem vai afetar muito o seguimento das histórias (não é como se tivessem abolido o apartheid), o drama criado é quase nulo.

              O arco posterior foi só pra avançar a relação entre Demolidor e Ponto Cego. Não achei um arco apressado. E também ansioso para os próximos capítulos. Muito boa essa fase do Soule.
              Ué, waid desconsiderou as desgraças da vida? Mas ele não trabalhou justamente o Matt aceitar as desgraças da vida dele e tentar ser feliz uma vez na vida? Em todo caso, eu até apoio quando um autor desconsidera algo do personagem (contanto que bem feito tb) para criar uma nova fase muito boa, até porque esses personagens já tão há a mais de 50 anos, se não der esses migués vai ficar foda criar algo novo e não se tornar repetitivo E concordo que o Soule tá fazendo um grande trabalho tb, tá aí um material que mais gente tinha que comprar (e de preferência LER ). Eu esqueci até de elogiar, mas uma coisa notável também nesse run do Soule é de como a arte das edições está algo fenomenal. Todos os artistas que passam por lá são muito bons, e a coisa fica ainda melhor quando é o Ron Garney, pqp!!!

              E realmente, tua crítica quanto ao clímax do gibi é bem válida, não tinha visto por esse lado

              Postado originalmente por Dylan Dog Ver Post
              Soule poderia muito bem ter sido aproveitado nos Detran Defensores depois da saida do Bendis.

              Enviado de meu Moto G (5) usando o Tapatalk
              Ah, mas lá na gringa acho que a Marvel encerrou a série né? Mas teria sido uma boa mesmo, até mesmo pra trabalhar esse universo urbano
              Last edited by Scarzyx; 27-08-2018, 10:33 PM.

              Comment


              • #8
                Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #16 - FAZENDO JUS AO AUMENTO DE 16% DO JUDICIÁRIO!

                Gosto dos dois autores, tanto o Waid, quanto o Soule conseguiram trbalhar com facetas diferentes do personagem sem que uma invalidasse a outra. Esse último encadernado veio com dois arcos que exploram gêneros narrativos diferentes, e embora o "Supremo" realmente me chame mais atenção, o arco do Ponto Cego fecha algumas pontas soltas de forma bem interessante e com cutucadas políticas legais. Mas realmente o que brilha é o diálogo entre Matt e o advogado rival escancarado que o sistema jurídico é cego não para preservar igualdade entre qualquer pessoa independentes de credo, posição social ou etnia, mas sim para favorecer aqueles que podem pagar um advogado melhor que consiga manipular os meandros da lei.

                Comment


                • #9
                  Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #16 - FAZENDO JUS AO AUMENTO DE 16% DO JUDICIÁRIO!

                  Estou gostando bastante da fase do Soule apesar de alguns pontos baixos,mas acho a fase do Mark Waid superior por ter devolvido a leveza de volta as hqs do Demolidor Pré Frank Miller que a grande maioria dos escritores que se seguiram se limitaram a tentarem emular.Foi muito interessante ver Waid indo na contramão.Ainda que alguns fãs mais xiitas acham que ele prejudicou o Homem Sem Medo com histórias menos sombrias.
                  Esperando o próximo arco que se passa após Império Secreto que é sem dúvida o ápice dessa fase do Soule.Mas não sei se sai ainda esse ano.
                  "Aranha, Aranha, sinta a chuva como açoite
                  Nas florestas da noite
                  Que ser de tamanha maestria
                  Pode tecer-te a terrível simetria?"

                  Comment

                  Working...
                  X