Anúncio

Collapse
No announcement yet.

[AVALIAÇÃO] Gavião Arqueiro #2 - Gaviões: Kate, a burguesa que queria amar um favelado e desistiu

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • [AVALIAÇÃO] Gavião Arqueiro #2 - Gaviões: Kate, a burguesa que queria amar um favelado e desistiu




    Após salvar três poderosas crianças do misterioso Projeto Comunhão e entregá-las à SHIELD, a Equipe Gavião deve lidar com seus próprios problemas de relacionamento e com a possibilidade de ter cometido um enorme erro para salvar o mundo mais uma vez, em uma história que une o passado, o presente e o futuro de Clint Barton e Kate Bishop, os Gaviões Arqueiros!

    (All-New Hawkeye 1-6)


    Publicação eventual
    Formato 17 x 26 cm
    128 + 4 páginas
    Lombada quadrada
    Capa cartão, LWC
    R$ 19,90
    Distribuição nacional
    ---------------------------

    Nossa história começa mostrando a Katiezinha e o CLINT PAULIXANO DE BOUTIGQUE se planejando pra um ataque a gangue do Cabeça de Martelo. O gibi é entrecortado por cenas mostrando o futuro, de uma Kate já velha e acabada, cansada de levar rola, tendo que recorrer ao Gavião PROXENETA, já brocha, indo atrás das crianças com poderes mentais, capturadas pela Hidra.







    A história intercala passado e futuro para saber se o futuro será alterado devido as decisões da vida de Katie e Clint. Clint, como vimos na edição anterior, apesar de ser loirinho, é na verdade "galêgo", uma raça particular das regiões do nordeste, em especial Recife, que é o cruzamento do branco português sarara com o ruivo cheio de creca na cara do ocupador holandês, é uma raça muito específica.





    Por ser um branco, mas mesmo um branco misturado, mesmo assim Clint SE ACHA mais branco do que os outros, e por isso mais especial. Saiu do Nordeste porque acreditava ser superior em alguma coisa, mas só é superior em sua própria babaquice. N "cidade grande", na "pauliceia desvairada" para onde vão todos os convencidos, todos os boçais, todos os otários achando que "aaaaaaain, mass são pauuuulo é a modernidade das avenidas a se perder de vista. É MUITA AVENINNNDA", é esse provincianismo chumbrega travestido de modernidade de cidade européia que é a roupagem da cidade. Se o retirante nordestino é o sangue daquela merda, que se mistura com seu concreto, fuligem e fumaça, o branco sarará galêgo que sai daqui pra ir pra lá é a "roupa" e o "estilo" daquele lugar, paraíbano até a alma.





    Kate é uma rapariga rodada. Branquinha. Burguesinha. Pezinho de neve. Pernas torneadas de malhação de rebolar em cima de uma pica. O desejo dela é chupar muitas rolas, chupar muitos paus, sentar em muitas picas mundo afora. Quanto mais exótica as picas que senta, que dá a buceta rosadinha e cremosa dela, mas ela sobe no status das raparigas da high society, visto que o macho que essas putas de apartamento agarram tem que ser saradão, tem que ter mestrado, tem que ser funcionário público, tem que ser médico ou adevogado com cartão e carro próprio, tem que morar em condomínio de bairro de luxo em Boa Viagem, e , deus que me perdoe, se for um estrangeiro, um gringo, pode até ser um daqueles rabujinhos italianos ou espanhóis mesmo, que vem apenas com uma mochila nas costas, fedendo que nem o cão, cabelo de palha com uma caspa fuderosa, pele toda crecada (é daquela região que vem o galêgo) só que com olhinho azul claro ou verde, aí meu filho, aí é o jackpot. Conseguem esses machos em noites de bebedeira em festas de boates que chamam de "butecos", pintam o sete assim como pintam as rolas desses machos, mas que no outro dia pra família e no facebook, posam de santinhas.



    Kate: dá o cu é bom (mas no segredinho, é dama na verdade)


    Porém a vida de Kate estava desbaratada. Estava desinteressante. Estava vazia. Flatula. Merdorrenta. Intolerável. Estava muito sem amor, sem tesão. Desgarrada. Desguardada. Desprotegida. Desfigurada. Kate conhecia rolas, mas não conhecia um homem. Um homem que a escutasse. Que a amasse. Que diria coisas sensíveis a ela. Que a entenderia. Que a curasse. Um homem que ela queria pegar na mão dele e dormir com a cabeça cansada sob o seu peito. Um homem que a amasse com o coração e não com a rola. Ela queria alguém que fosse mais forte que ela, que a segurasse, que a confortasse, que a aprochegasse. Onde ela se sentiria segura, sã, plena, descansada. Ela queria um Paulo Zulu que não a ameaçasse com o perigo da rola dura que dilacera sua buceta num vai e vem nervoso. Uma alma boa, caridosa, cândida, para se adentrar e se perder nesse mar.





    O resto da história mostra Kate e Clint se unindo novamente para desfazer o mal que fizeram ao não libertar as crianças retardadas monstrengas. Toda a história é narrada entrecortada com pedaços da memória de Kate em sua infância, a rejeição do pai que tanto a amava e como conheceu o Clint forte e veríl de sua juventude. Passagens, assim como todo o gibi, belamente ilustradas por Ramón Pérez numa arte pintada de sua própria autoria. As cores dos momentos modernos são mais pálidas, mas atuam bem no conjunto, por Ian Herring. Jeff Lemire consegue orquestrar essa banda com maestria.





    Desse modo temos um gibi onde Kate faz as pazes com o passado, com o Clint e com todos os homens que conhecera. Porque agora ela pode voltar a chupar rolas e dar muito a buceta e o cu porque fora maltratada por homens no passado, por suas rolas. Kate agora sabe o que é um homem, mesmo não mostrando a devida gratidão, o devido respeito e o devido carinho e amor que a tanto prometeu praquele jovem mancebo que queria entrar naquele seu mar, que queria fazer tudo que ela pedia e mais. Que estava vinculado a sua alma e estava disposto a botar tudo a perder. Aquele homem se foi a muito tempo e hoje só resta um pedaço de gente, um resto de homem que vagueia se arrastando nas sombras por aí. Kate usou e abusou em seu benefício, em seu proveito, em sua vantagem. Afinal, é isso que Kate aprendeu desde pequena com seu pai: a ser um burguês safado que escorre tudo que o pobre trabalhador, filho do proletariado, tem a oferecer, sua força de trabalho, seu coração, seu amor e algo mais. Seu pau pequeno.



    With love, and hard dicks, you bitch - agora eu tenho que ir que eu preciso trabalhar, mais tarde ajeito essas porras de imagens grandes que só o caralho


    Last edited by Pato_Osborn_Olsen; 24-05-2018, 11:02 PM.

  • #2
    Re: [AVALIAÇÃO] Gavião Arqueiro #2 - Gaviões: Kate, a burguesa que queria amar um favelado e desisti

    esses reviews do Pato são um curioso estudo antropológico... provam q DE FATO determinadas formas de encarar a vida podem transformar sua vida numa merda... é onde o fracasso começa

    é misógino, é medíocre... cheio de raiva e inveja... desconhecimento total da vida... praticamente uma receita de tudo q existe de mal na humanidade
    "esses riquinhos com cartão e carro PRÓPRIO"

    e quem vai questionar q alguém q pensa assim não merece se fuder?

    por favor continue assim amigo... gosto de vc
    Last edited by morto muito loco; 24-05-2018, 11:13 PM.
    fotografia é desenho de luz

    Comment


    • #3
      Re: [AVALIAÇÃO] Gavião Arqueiro #2 - Gaviões: Kate, a burguesa que queria amar um favelado e desisti

      Postado originalmente por morto muito loco Ver Post
      esses reviews do Pato são um curioso estudo antropológico... provam q DE FATO determinadas formas de encarar a vida podem transformar sua vida numa merda... é onde o fracasso começa

      é misógino, é medíocre... cheio de raiva e inveja... desconhecimento total da vida... praticamente uma receita de tudo q existe de mal na humanidade
      "esses riquinhos com cartão e carro PRÓPRIO"

      e quem vai questionar q alguém q pensa assim não merece se fuder?

      por favor continue assim amigo... gosto de vc
      dae tidus, como anda a pizaria?



      eu comprei esse gibi, mas pra mim já deu de arqueiro, até chegar gavião velho.

      Capaz que em uma releitura daqui 3 anos, eu venda

      Comment


      • #4
        Re: [AVALIAÇÃO] Gavião Arqueiro #2 - Gaviões: Kate, a burguesa que queria amar um favelado e desisti

        enfim, dando outra enfase, é visivel o quão o personagem do clint está gasto.

        Ele precisa sentar e sossegar, engravidar a harpia, ter um filho, coisa assim.


        O proprio steve tava gasto assim

        Comment


        • #5
          Re: [AVALIAÇÃO] Gavião Arqueiro #2 - Gaviões: Kate, a burguesa que queria amar um favelado e desisti

          que review, é muita doença mas é engraçado pq dá para notar que a vida do Pato é uma merda

          Comment


          • #6
            Re: [AVALIAÇÃO] Gavião Arqueiro #2 - Gaviões: Kate, a burguesa que queria amar um favelado e desisti

            Postado originalmente por André Carboni Ver Post
            dae tidus, como anda a pizaria?
            ta rolando man

            não ta AQUELAS coisas... mas ja ta entrando uma grana e ta colando muita gata
            fotografia é desenho de luz

            Comment


            • #7
              Re: [AVALIAÇÃO] Gavião Arqueiro #2 - Gaviões: Kate, a burguesa que queria amar um favelado e desisti

              achei a história bem divertida mostrando como a Kate Bishop é muito mais responsável e consciente de suas ações e possíveis consequências do que o Clint. Achei interessante a forma como Lemire apresentou o futuro de forma espelhada ao que fez sobre o passado do Clint, mas sem bater o martelo se seria um futuro definitivo (ele nunca é mesmo...).

              A Panini finalmente encerrou essa fase do Lemire e Perez, resta agora terminar de lançar os encadernados da fase anterior ou partir logo para o run mais recente da Kelly Thompson...

              Comment


              • #8
                Re: [AVALIAÇÃO] Gavião Arqueiro #2 - Gaviões: Kate, a burguesa que queria amar um favelado e desisti

                Tem que encerrar a fase anterior sim. Só li por scans e pelos encadernados.
                E, na boa, esse e o review do Justiceiro só serviram pra conhecer esse seu canal, Presto. Vou prestigiar depois.
                O Pato perde tanto tempo fazendo os comentários ordinários e sexistas dele que a gente até se perde na leitura, já nem tendo certeza de sobre o quê é o encadernado em questão.
                Konshu não é meu Deus!

                Comment

                Working...
                X