Anúncio

Collapse
No announcement yet.

[AVALIAÇÃO] Demolidor #15: A revelação sobre a desrevelação da identidade revelada!

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • [AVALIAÇÃO] Demolidor #15: A revelação sobre a desrevelação da identidade revelada!




    Ponto Cego, parceiro, protegido e aluno do Demolidor, foi capturado pelo insano Muso e teve seus olhos arrancados. Agora tomado pela culpa, Matt Murdock faz uma aposta arriscadíssima e coloca todos os bandidos de Nova York contra si a fim de atrair o Mercenário, na esperança de uma cura para seu discípulo. Mas a tragédia de Ponto Cego não é o único peso na consciência do Homem Sem Medo. Descubra como todo o mundo esqueceu a identidade secreta do Demolidor!

    (Daredevil 15-20)


    Revista especial
    Formato americano
    132 páginas
    Papel LWC
    Capa cartão, lombada quadrada
    R$ 20,90
    Distribuição nacional
    ----------------------------------------


    É neste gibi que a fase do Charles Soule finalmente se dignifica a explicar COMO o mundo inteiro esqueceu a cerca sobre a identidade secreta do Demolidor. Não apaga da existência o que foi feito, muito pelo contrário, TUDO que ocorreu, ocorreu, e a solução para tal foi posta pelo próprio Waid em um de seus arcos e o Soule usou com maestria para acabar com algo que começou ainda na fase Frank Miller e Mazzuncheli no Demolidor, culminou na fase Bendis e teve seus derivados até hoje.





    Porém o arco que inicia o encadernado, O Sétimo Dia, um mini arco a bem da verdade, lida com as consequências do que ocorreu na última edição, onde o Muso arrancou os olhos do Ponto Cego e agora o Demolidor busca uma maneira de ajudar o amigo. Remetendo a algo que ocorreu ainda em Demolidor #1 onde o Mercenário tinha um treco que fazia com que replicasse os sentidos do Demolidor. Eu nem lembro disso e só acreditei na narração, parabéns ao Soule pelo respeito e conhecimento que tem das fases anteriores.





    A história é bem introspectiva, porém interessante, demonstrando toda a culpa que o Demolidor sente pelo ocorrido. Ele faz amizade e se confessa com um padre, o Jordan, que é uma espécie de "gladius dei antigo", isso é bem doido, ainda assim bem gibi isso, e legal da história. Só achei meio paia porque a história dedica uns trechos a um carinha que tenta capturar o Demolidor por dinheiro, mas que no final não leva a porra nenhuma. Acredito que o Soule possa trabalhar o personagem no futuro. Eu acho. Arte bem boa de Goran Sudzuka.





    Aí então começa o arco "Púrpura" que narra como foi que a identidade do Demolidor foi esquecida por todos. Como disse o saudoso Mr. Bosta "solução elegantérrima" pra um negócio que já havia se tornado um problema. A verdade é que enquanto os autores tinham algo para contar a respeito do Demolidor, o lance da identidade revelada, meio sim, meio que não, rendeu bastante. Foram ANOS de história. Aí veio a fase Waid que, convenhamos, funcionaria bem melhor se fosse com o Demolidor com identidade secreta. Tanto é que o bicho "brinca" com aquilo o tempo todo. Até o ponto em que perde a graça, com "Demolidor de terno", como se o cara tivesse mobilidade para pular, fazer cacoete e lutar usando terno e gravata e ainda um coletinho, puta que me pariu. Pense no SEBO que deve ficar aquele terno ao final do dia.



    Matt levava a vida numa boa, de gostosão transudo


    A história aborda algo que o IMBECIL do Waid sequer imaginou, as IMPLICAÇÕES LEGAIS de ter um vigilante uniformizado saindo por aí dando porrada na bandidagem, mas os caras SABENDO O CPF DO CARA! O problema a princípio nem é os marginais atacarem você, mas a longo prazo é derrubar todas as implicações criminais que envolvem os indivíduos que o cara espanca pra prender, ou "prisão de cidadão". Esse Soule é foda mesmo, e o cara ainda era advogado, sabia que isso ia recompensar de alguma maneira na qualidade das histórias do Demolidor a partir de então.





    História emocionante, bem construída e cheia de ação. Não conheço bem o personagem, mas fico imaginando apenas se o Homem Púrpura é capaz de construir a máquina que planejava dominar o mundo na história... tirando isso, é uma boa história. Sem contar, que se a intenção do Homem Púrpura é só escrotizar, por que não seria plausível? Ele querer escrotizar o mundo? O clímax da história e a proporção é bem foda. No penúltimo capítulo temos a arte do Marc Laming que faz um trabalho excepcional.






    Ao fim do gibi, temos uma situação parecida com o pacto, mas sem o pacto: todos esqueceram a identidade do Demolidor e só vão lembrar os fatos se assim ele o quiser. A única pequena falha que eu vejo é que existem várias DOCUMENTAÇÕES de que foram feitas acusações de que Matt era o Demolidor (recortes de jornal, programas de TV). Porém como o Matt nunca ADMITIU ISSO ON THE RECORD então pode-se dizer que foram feitas alegações infundadas, mas que não levaram a nada ou foram desmentidas (o próprio julgamento sobre as alegações do Globo foi interrompido como visto publicado recentemente em Demolidor - O Rei da Cozinha do Inferno). Uma solução que funciona sem levantar muita incredulidade.





    História muito boa como de costume nessa fase do Soule e também com uma arte magistral, sóbria, longe daquelas bobildas que já estavam dando nos nervos na época do Waid e seu "Chris Samne de desenho animado" que é muito bom, mas não combina com aquela porra. Ron Garney fazendo o trabalho de sua vida aqui.



    Last edited by Pato_Osborn_Olsen; 03-04-2018, 03:43 PM.

  • #2
    Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #15: A revelação sobre a desrevelação da identidade revelada!

    achei o arco mais fraco dessa fase do Charles Soule, essa versão não infernal do pacto com o Mefisto não me convenceu... não que eu tenha gostado do pacto...hehehe

    Comment


    • #3
      Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #15: A revelação sobre a desrevelação da identidade revelada!

      Melhor arco dessa fase do Demolidor, até da fase do Waid, curti demais. Logo no começo quando foi anunciado que a identidade do Demolidor não era mais conhecida eu tinha pensado no Mefisto, e gostei que o Soule até cita a possibilidade, mas usou uma solução bem bolada e mais consistente com a história do Demolidor.

      Eu também tinha gostado muito do Soule em Monstro do Pântano e, sabendo que ele era advogado, estava ansioso pra ver o que ele faria com o Matt, mas acabei me decepcionando nos dois primeiros encadernados. Não olhei os tópicos das edições anteriores, mas por enquanto, o número 15 foi excepcional, 14 foi legal e os outros dois eu achei bem fracos... Deixando a fase com um saldo apenas satisfatório. Não sei se recomendaria com um "fica melhor mais pra frente", porque foram 15 edições pra ficar bom de verdade.


      Postado originalmente por Pato_Osborn_Olsen Ver Post
      Ao fim do gibi, temos uma situação parecida com o pacto, mas sem o pacto: todos esqueceram a identidade do Demolidor e só vão lembrar os fatos se assim ele o quiser. A única pequena falha que eu vejo é que existem várias DOCUMENTAÇÕES de que foram feitas acusações de que Matt era o Demolidor (recortes de jornal, programas de TV). Porém como o Matt nunca ADMITIU ISSO ON THE RECORD então pode-se dizer que foram feitas alegações infundadas, mas que não levaram a nada ou foram desmentidas (o próprio julgamento sobre as alegações do Globo foi interrompido como visto publicado recentemente em Demolidor - O Rei da Cozinha do Inferno). Uma solução que funciona sem levantar muita incredulidade.
      Acho que essas documentações são englobadas no "todos ficaram cegos". Quando ele fala da biografia, por exemplo, ele diz que o pai da Kirsten largou o projeto por perceber que estava pagando só pela biografia de um advogado, ou seja, ele olhava pro papel mas não processava as partes sobre ele ser o Demolidor.

      Postado originalmente por Pato_Osborn_Olsen Ver Post
      Até o ponto em que perde a graça, com "Demolidor de terno", como se o cara tivesse mobilidade para pular, fazer cacoete e lutar usando terno e gravata e ainda um coletinho, puta que me pariu. Pense no SEBO que deve ficar aquele terno ao final do dia.
      Me lembrou do mangá Sun-Ken Rock, que é cheio de lutas com terno.

      LIVE FAST. LOVE HARD. DIE WITH YOUR MASK ON.

      Comment


      • #4
        Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #15: A revelação sobre a desrevelação da identidade revelada!

        Vou treinar boxe com meu terno da C&A


        Postado originalmente por Sandtrout Ver Post
        Eu também tinha gostado muito do Soule em Monstro do Pântano e, sabendo que ele era advogado, estava ansioso pra ver o que ele faria com o Matt, mas acabei me decepcionando nos dois primeiros encadernados. Não olhei os tópicos das edições anteriores, mas por enquanto, o número 15 foi excepcional, 14 foi legal e os outros dois eu achei bem fracos... Deixando a fase com um saldo apenas satisfatório. Não sei se recomendaria com um "fica melhor mais pra frente", porque foram 15 edições pra ficar bom de verdade.

        [...]

        Acho que essas documentações são englobadas no "todos ficaram cegos". Quando ele fala da biografia, por exemplo, ele diz que o pai da Kirsten largou o projeto por perceber que estava pagando só pela biografia de um advogado, ou seja, ele olhava pro papel mas não processava as partes sobre ele ser o Demolidor.

        Bicho, eu acho que a série tá num crescente. O arco dos "Dez Dedos" com apresentação do Ponto Cego, achei bem divertido. O arco seguinte realmente não lembro (olhei agora, é um que tem participação da Elektra e uma história do Demolidor com o Aranha), agora que olhei foi bem divertido também. O arco envolvendo o Muso foi O MELHOR em minha opinião, e agora este encadernado que tem uma história bem introspectiva, ainda assim, interessante do Matt.

        Então ao meu ver, é um grande crescente, e uma fase que é divertida de verdade. Não o final da fase Waid que já tava "divertida pelo absurdo", bobilda, e até mesmo enfiando o pé na jaca na vida do Demolidor para depois tirar uma solução do cu (inventar a morte do Foggy, aquele negócio envolvendo o disco com TODA a informação sobre atividades criminosas, e pra completar, aquele discurso da Kristie pra toda a cidade de Nova York para desentocar as serpentes do lugar). O Soule em Monstro do Pântano foi bem melhor, ao meu ver.


        Sobre o pai da Krystie ter "esquecido" porque teve interesse no Demolidor, não é que eu ache ruim. As publicações sobre o Matt AINDA EXISTEM, o poder do Homem Púrpura não pode fazer com que as pessoas ESQUEÇAM A PALAVRA IMPRESSA. Pra mim, o Matt pode ser conhecido como "aquele cara que foi acusado de ser o Demolidor, mas no final é tudo uma grande bobagem". Não tem nenhum documento provando isso, mas a suspeita um dia existiu. E o Matt nunca veio a público de fato. Ou será que tem/foi e eu tô esquecido?

        Comment


        • #5
          Re: [AVALIAÇÃO] Demolidor #15: A revelação sobre a desrevelação da identidade revelada!

          Postado originalmente por Pato_Osborn_Olsen Ver Post
          ----------------------------------------


          É neste gibi que a fase do Charles Soule finalmente se dignifica a explicar COMO o mundo inteiro esqueceu a cerca sobre a identidade secreta do Demolidor. Não apaga da existência o que foi feito, muito pelo contrário, TUDO que ocorreu, ocorreu, e a solução para tal foi posta pelo próprio Waid em um de seus arcos e o Soule usou com maestria para acabar com algo que começou ainda na fase Frank Miller e Mazzuncheli no Demolidor, culminou na fase Bendis e teve seus derivados até hoje.





          Porém o arco que inicia o encadernado, O Sétimo Dia, um mini arco a bem da verdade, lida com as consequências do que ocorreu na última edição, onde o Muso arrancou os olhos do Ponto Cego e agora o Demolidor busca uma maneira de ajudar o amigo. Remetendo a algo que ocorreu ainda em Demolidor #1 onde o Mercenário tinha um treco que fazia com que replicasse os sentidos do Demolidor. Eu nem lembro disso e só acreditei na narração, parabéns ao Soule pelo respeito e conhecimento que tem das fases anteriores.





          A história é bem introspectiva, porém interessante, demonstrando toda a culpa que o Demolidor sente pelo ocorrido. Ele faz amizade e se confessa com um padre, o Jordan, que é uma espécie de "gladius dei antigo", isso é bem doido, ainda assim bem gibi isso, e legal da história. Só achei meio paia porque a história dedica uns trechos a um carinha que tenta capturar o Demolidor por dinheiro, mas que no final não leva a porra nenhuma. Acredito que o Soule possa trabalhar o personagem no futuro. Eu acho. Arte bem boa de Goran Sudzuka.





          Aí então começa o arco "Púrpura" que narra como foi que a identidade do Demolidor foi esquecida por todos. Como disse o saudoso Mr. Bosta "solução elegantérrima" pra um negócio que já havia se tornado um problema. A verdade é que enquanto os autores tinham algo para contar a respeito do Demolidor, o lance da identidade revelada, meio sim, meio que não, rendeu bastante. Foram ANOS de história. Aí veio a fase Waid que, convenhamos, funcionaria bem melhor se fosse com o Demolidor com identidade secreta. Tanto é que o bicho "brinca" com aquilo o tempo todo. Até o ponto em que perde a graça, com "Demolidor de terno", como se o cara tivesse mobilidade para pular, fazer cacoete e lutar usando terno e gravata e ainda um coletinho, pUtA que me pariu. Pense no SEBO que deve ficar aquele terno ao final do dia.



          Matt levava a vida numa boa, de gostosão transudo


          A história aborda algo que o IMBECIL do Waid sequer imaginou, as IMPLICAÇÕES LEGAIS de ter um vigilante uniformizado saindo por aí dando porrada na bandidagem, mas os caras SABENDO O CPF DO CARA! O problema a princípio nem é os marginais atacarem você, mas a longo prazo é derrubar todas as implicações criminais que envolvem os indivíduos que o cara espanca pra prender, ou "prisão de cidadão". Esse Soule é foda mesmo, e o cara ainda era advogado, sabia que isso ia recompensar de alguma maneira na qualidade das histórias do Demolidor a partir de então.





          História emocionante, bem construída e cheia de ação. Não conheço bem o personagem, mas fico imaginando apenas se o Homem Púrpura é capaz de construir a máquina que planejava dominar o mundo na história... tirando isso, é uma boa história. Sem contar, que se a intenção do Homem Púrpura é só escrotizar, por que não seria plausível? Ele querer escrotizar o mundo? O clímax da história e a proporção é bem foda. No penúltimo capítulo temos a arte do Marc Laming que faz um trabalho excepcional.






          Ao fim do gibi, temos uma situação parecida com o pacto, mas sem o pacto: todos esqueceram a identidade do Demolidor e só vão lembrar os fatos se assim ele o quiser. A única pequena falha que eu vejo é que existem várias DOCUMENTAÇÕES de que foram feitas acusações de que Matt era o Demolidor (recortes de jornal, programas de TV). Porém como o Matt nunca ADMITIU ISSO ON THE RECORD então pode-se dizer que foram feitas alegações infundadas, mas que não levaram a nada ou foram desmentidas (o próprio julgamento sobre as alegações do Globo foi interrompido como visto publicado recentemente em Demolidor - O Rei da Cozinha do Inferno). Uma solução que funciona sem levantar muita incredulidade.





          História muito boa como de costume nessa fase do Soule e também com uma arte magistral, sóbria, longe daquelas bobildas que já estavam dando nos nervos na época do Waid e seu "Chris Samne de desenho animado" que é muito bom, mas não combina com aquela porra. Ron Garney fazendo o trabalho de sua vida aqui.



          a cerca sobre, porem, destarte. o amigo tem que se esforçar menos, não está fazendo redação para o enem.
          Giovanni Giorgio

          Comment

          Working...
          X