Anúncio

Collapse
No announcement yet.

[AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • [AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

    Pensei que tinha tópico pro gibi, mas não achei na busca e nem no tópico com o índice de avaliações. Faz sentido, afinal é Watchman, mas como foi relançada recentemente e a série está ganhando destaque no DC Rebirth, vamos lá:



    Uma das Graphic Novels mais influentes de todos os tempos e um eterno bestseller, Watchmen só cresceu em estatura desde sua publicação original, como minissérie, em 1986. Esta edição de luxo, com capa dura, papel especial e formato diferenciado, traz a lendária saga escrita por Alan Moore e desenhada por Dave Gibbons, totalmente recolorida digitalmente por John Higgings, o colorista original. Não apenas isso, o volume de 460 páginas também apresenta uma quantidade de extras jamais vista no Brasil, trazendo trechos do roteiro original, esboços de Gibbons, comentários sobre os personagens, textos dos criadores e mais. Uma edição primorosa que não pode faltar na estante de nenhum colecionador. O ano é 1985. Os Estados Unidos são uma nação totalitária e fechada, isolada do resto do mundo. A presença de arsenais nucleares e dos chamados super-heróis mantém um certo equilíbrio entre as forças do planeta... até que o relógio do fim do mundo começa a marchar para a meia-noite e a raça humana para um abismo sem-fim. A sombria e inigualável trama tem início com ilusões paranoicas do supostamente insano herói Rorschach, um dos Watchmen que patrulhavam os EUA décadas atrás. Mas ele estaria realmente insano ou na verdade teria descoberto uma sórdida conspiração para assassinar super-heróis -- ou, pior ainda, milhões de civis inocentes? Fugindo da lei, Rorschach junta-se a ex-companheiros do passado em uma desesperada tentativa de salvar suas próprias vidas... e o que acabam descobrindo, além de abalar suas estruturas, poderá alterar o próprio destino do planeta Terra! Seguindo duas gerações de heróis mascarados, desde a Segunda Guerra até os tensos anos da Guerra Fria, surge esta pioneira epopeia de ódio, amor, reencontros impossíveis, grandes reviravoltas e muita ação, como só a criatividade de Alan Moore e Dave Gibbons poderia conceber! Watchmen foi considerada pela revista TIME uma das cem melhores obras em língua inglesa de todos os tempos.
    Pra ser sincero, pensei que jamais leria Watchman. Um misto de rebeldia e, de certa forma, receio. Na época que eu decidi fazer isso, tinha interesse em ingressar na indústria (mas diferente do amigo Canibal, nunca tive interesse em "startar" o mercado ) e, sabendo da influência da obra nos roteiristas, achei que isso me impediria de criar estilo próprio. Coisa boba de quem sonhava demais, mas os tempos passam, a idade chega, a gente evolui e para de esquentar a cabeça com coisas inúteis.

    Mas no final de contas, eu diria que foi benéfico. Se muito, foi o melhor momento pra ler a mini onde as experiências da vida como pessoa e leitor, permite ver a obra como provavelmente o autor planejou que ela fosse vista.

    E não, esse não é o típico tópico pra desmascarar obras elogiadas. Até porque não se aplica a esse caso. A mini merece o sucesso que tem.

    Alguns dos motivos pra isso, eu diria que são:

    1 - A impressionante - e exemplar dedicação do Moore em construir a obra. A forma como pensou o universo, os personagens, como suas histórias se relacionam e como tudo se liga ao que trama se propõe é incrível e mostra muita dedicação por parte dele. Achei até legal que nas anotações ele menciona que não conhece muito a personagem Sombra da Noite mas aceita material pra pesquisa. Sim, crianças, até Alan Moore faz ESTUDO. Como os personagens foram inspirados no acervo da Charlton, achei legal que houve a preocupação em ser fiel a essas raízes, até mesmo levando em consideração a visão de vida/posição política de um dos criadores desses personagens (Steve Ditko, no caso).

    Eu diria que o que faz Rorschach e Dr. Manhattan serem os mais populares da série, ou pelo menos os personagens mais emblemáticos é como o Moore se preocupou em dar a ambos personalidade e estilo próprios. Veja como ambos falam, como reagem ao mundo ao seu redor, a forma como falam. Cada um é, de certa forma, um indíviduo por si só. Isso é feito que poucos conseguem e um baita mérito do Moore como roteirista.

    Quanto aos outros, não é que sejam inferiores ou menos importantes. Eles também são bem escritos e tem sua individualidade bem reforçada, mas eu diria que esses dois se sobressaem devido as proprias características, maneirismos e forma de falar que os fazem únicos.

    (como nota lateral, chega a ser interessante como o Moore meio que diz, ainda que não com essas palavras, que despreza as visões de Ditko mas respeita e admira seu trabalho como artista. É engraçado porque de certa forma se aplica a ele mesmo Mas por outro é triste por meio que mostra uma involução dele como pessoa: nessa época mostrou maturidade e coerência enquanto hoje em dia ele se comporta como o inverso disso)

    2 - O conceito da HQ em si é um golpe de mestre pra ajudar o mercado a prosperar: com os gibis sendo visto como "coisa de criança" graças aos super heróis, Moore usa os próprios pra mostrar que quadrinhos podem ir e vão muito além disso. O lance de colocar uma história de piratas, no estilo daqueles gibis antigões, que traçava paralelos com o que acontecia na trama foi boa porque ajuda a reforçar essa ideia.

    Eu diria que parte da decepção do Moore é que a intenção deles era usar a obra pra mostrar que HQs, enquanto forma de arte, vão além dos supers, mas no final parece que os roteiristas entenderam de outra forma: que o segredo eram autores britânicos no comando, sangue, desconstrução, distopia, realismo, sexo

    Já vi a obra ser definida como "aviso", porém, vejo-a apenas como um símbolo de que HQs, como arte, são mais do que se pode pensar e que há espaço pra entretenimento além dos colantes.

    Talvez a trama em si não impressione tanto alguns, dada a época em que vivemos e até mesmo o que já vimos na ficção, mas o maior destaque da obra é - e vale ressaltar isso aí - é o capricho como ela foi construída. E isso se pode ver até nos fragmentos dos roteirista da edição (que vem como extras) onde o Moore descreve até detalhes do cenário. Eu diria que um dos maiores méritos do Moore é saber aliar a mensagem que ele quer passar com o que a história precisa e tudo isso dentro das técnicas necessárias pra se escrever bem nesse meio. Tudo isso enquanto sabendo lidar com as restrições do formato.

    E considerando a época no qual ela saiu, dá pra entender melhor porque conseguiu o status de clássico que tem hoje.

    Em termos de arte, Gibbons entende que esse é O trabalho pra sua carreira. As páginas transbordam o esmero e a dedicação do artista em fazer o melhor trabalho possível.

    Na edição brasileira, a Panini traz as notas do Moore pra criação desse universo, esboço, artes promocionais, uma introdução do Moore e um "afterword" do Gibbons, além de fragmentos do roteiro original. Eu pessoalmente, não vi nenhum erro de revisão e, francamente, o infame lance de "efeito de arrotos" não me incomodou e nem comprometeu minha leitura. Talvez porque eu já tinha visto isso ser comentado? Talvez, mas como não erraram o resto (o que, convenhamos, podia ter acontecido) dá (lá ele) até pra perdoar.

    Enfim, é uma excelente HQ. Não diria que é a melhor de super heróis, porque seu objetivo é usá-los como forma de mostrar que HQs vão além disso, mas sim que é uma das melhores dessa forma de arte como um todo. Que, na minha opinião é como deve - e merece -ser avaliada.

    Nota 10.
    Last edited by Spider-Phoenix; 28-01-2018, 07:45 PM. Razão: Pronto, guardem os surtos pra quando a panini despadronizar lombadas :p

  • #2
    Re: [AVALIAÇÃO] Watchman - Edição Definitiva

    amigo, por favor, mude o titulo do topico.

    Comment


    • #3
      Re: [AVALIAÇÃO] Watchman - Edição Definitiva

      também ta me dando faniquito

      Comment


      • #4
        Re: [AVALIAÇÃO] Watchman - Edição Definitiva

        Três aqui,
        "Uma das pessoas menos agradáveis do MBB." - SJWscott

        Comment


        • #5
          Re: [AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

          Postado originalmente por Spider-Phoenix Ver Post
          Pensei que tinha tópico pro gibi, mas não achei na busca e nem no tópico com o índice de avaliações. Faz sentido, afinal é Watchman, mas como foi relançada recentemente e a série está ganhando destaque no DC Rebirth, vamos lá:





          Pra ser sincero, pensei que jamais leria Watchman. Um misto de rebeldia e, de certa forma, receio. Na época que eu decidi fazer isso, tinha interesse em ingressar na indústria (mas diferente do amigo Canibal, nunca tive interesse em "startar" o mercado ) e, sabendo da influência da obra nos roteiristas, achei que isso me impediria de criar estilo próprio. Coisa boba de quem sonhava demais, mas os tempos passam, a idade chega, a gente evolui e para de esquentar a cabeça com coisas inúteis.

          Mas no final de contas, eu diria que foi benéfico. Se muito, foi o melhor momento pra ler a mini onde as experiências da vida como pessoa e leitor, permite ver a obra como provavelmente o autor planejou que ela fosse vista.
          melhor momento pra ler watchmen foi o fim dos 80, fim da guerra fria ponto relogio.

          E não, esse não é o típico tópico pra desmascarar obras elogiadas. Até porque não se aplica a esse caso. A mini merece o sucesso que tem.

          Alguns dos motivos pra isso, eu diria que são:

          1 - A impressionante - e exemplar dedicação do Moore em construir a obra. A forma como pensou o universo, os personagens, como suas histórias se relacionam e como tudo se liga ao que trama se propõe é incrível e mostra muita dedicação por parte dele. Achei até legal que nas anotações ele menciona que não conhece muito a personagem Sombra da Noite mas aceita material pra pesquisa. Sim, crianças, até Alan Moore faz ESTUDO. Como os personagens foram inspirados no acervo da Charlton, achei legal que houve a preocupação em ser fiel a essas raízes, até mesmo levando em consideração a visão de vida/posição política de um dos criadores desses personagens (Steve Ditko, no caso).
          evidente que ele pesquisa. isso fica claro em apenas todas histórias que ele escreve. acha que ele escreve sobre cidades americanas sem sair de northampton e sem pesquisar?

          Eu diria que o que faz Rorschach e Dr. Manhattan serem os mais populares da série, ou pelo menos os personagens mais emblemáticos é como o Moore se preocupou em dar a ambos personalidade e estilo próprios. Veja como ambos falam, como reagem ao mundo ao seu redor, a forma como falam. Cada um é, de certa forma, um indíviduo por si só. Isso é feito que poucos conseguem e um baita mérito do Moore como roteirista.
          só que todos personagens tem estilo próprios, não só os dois. e o comediante é mais popular que o manhatan.

          (como nota lateral, chega a ser interessante como o Moore meio que diz, ainda que não com essas palavras, que despreza as visões de Ditko mas respeita e admira seu trabalho como artista. É engraçado porque de certa forma se aplica a ele mesmo Mas por outro é triste por meio que mostra uma involução dele como pessoa: nessa época mostrou maturidade e coerência enquanto hoje em dia ele se comporta como o inverso disso)
          de que forma o moore se comporta sem maturidade e coerencia hoje?

          2 - O conceito da HQ em si é um golpe de mestre pra ajudar o mercado a prosperar: com os gibis sendo visto como "coisa de criança" graças aos super heróis, Moore usa os próprios pra mostrar que quadrinhos podem ir e vão muito além disso. O lance de colocar uma história de piratas, no estilo daqueles gibis antigões, que traçava paralelos com o que acontecia na trama foi boa porque ajuda a reforçar essa ideia.
          acho que os temas adultas, história séria e caracterização literaria dos personagens ajuda mais que colocar a história de pirata, mas tudo bem.

          Já vi a obra ser definida como "aviso", porém, vejo-a apenas como um símbolo de que HQs, como arte, são mais do que se pode pensar e que há espaço pra entretenimento além dos colantes.
          mas watchmen é sobre colantes. então seria entretenimento apesar dos colantes.

          Em termos de arte, Gibbons entende que esse é O trabalho pra sua carreira. As páginas transbordam o esmero e a dedicação do artista em fazer o melhor trabalho possível.
          não percebi maior esmero do gibbons do que em outros trabalhos dele da mesma época. ele tá só seguindo a risca o roteiro a prova de desenhista do moore.
          Giovanni Giorgio

          Comment


          • #6
            Re: [AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

            Agora fiquei curioso. Qual era o título do tópico?


            Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
            "Em seu mundo, vocês me conhecem por um outro nome."
            Aslam

            Comment


            • #7
              Re: [AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

              watchman
              I'm frightened by what I see
              But somehow I know that there's much more to come

              Comment


              • #8
                Re: [AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

                Meu problema mesmo é com essa tradução. Trabalho preguiçosíssimo, interpretações equivocadas e escolhas do tradutor quase sempre erradas.

                Se houvesse um pingo de seriedade na Panini teriam desembolsado dinheiro para alguém com um ego menor traduzir. Mas rolou um lance de jogar um cara "experiente" com a mediocridade dos quadrinhos para traduzir Moore. O saldo infelizmente foi esse. Aliás, infelizmente Moore tem pouca sorte no Brasil. Dá pra contar nos dedos da mão esquerda do Lula quantos tradutores fizeram bem o serviço...

                Não vi a impressão dessa edição da Panini. Aparententemente de novo só há o logotipo da DC. Mas as edições anteriores possuem a imagem ligeiramente desfocada e cores com problemas de saturação e/ou desbotamento. Algum problema gráfico, evidentemente.

                Ah, já ia esquecendo. O letrista fez cagada em todos os recordatórios do Rorschach. Todo o cuidado com o uso de maiúsculas e minúsculas no trabalho original foi completamente ignorado na versão brasileira. Sem contar que na parte da tradução, todo o jeito bizarro do Rorschach de escrever foi convertido para algo normal.

                Comment


                • #9
                  Re: [AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

                  Postado originalmente por Koyaanisqatsi Ver Post
                  Meu problema mesmo é com essa tradução. Trabalho preguiçosíssimo, interpretações equivocadas e escolhas do tradutor quase sempre erradas.

                  Se houvesse um pingo de seriedade na Panini teriam desembolsado dinheiro para alguém com um ego menor traduzir. Mas rolou um lance de jogar um cara "experiente" com a mediocridade dos quadrinhos para traduzir Moore. O saldo infelizmente foi esse. Aliás, infelizmente Moore tem pouca sorte no Brasil. Dá pra contar nos dedos da mão esquerda do Lula quantos tradutores fizeram bem o serviço...

                  Não vi a impressão dessa edição da Panini. Aparententemente de novo só há o logotipo da DC. Mas as edições anteriores possuem a imagem ligeiramente desfocada e cores com problemas de saturação e/ou desbotamento. Algum problema gráfico, evidentemente.

                  Ah, já ia esquecendo. O letrista fez cagada em todos os recordatórios do Rorschach. Todo o cuidado com o uso de maiúsculas e minúsculas no trabalho original foi completamente ignorado na versão brasileira. Sem contar que na parte da tradução, todo o jeito bizarro do Rorschach de escrever foi convertido para algo normal.
                  quem traduziu essa? eu tenho as doze edições da abril, lançadas em 1999, e a tradução do jotapê está boa, inclusive as partes do rorschach
                  I'm frightened by what I see
                  But somehow I know that there's much more to come

                  Comment


                  • #10
                    Re: [AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

                    Postado originalmente por Alura Ver Post
                    quem traduziu essa? eu tenho as doze edições da abril, lançadas em 1999, e a tradução do jotapê está boa, inclusive as partes do rorschach
                    O mesmo Jotapê, mas dessa vez ele resolveu inventar novidades: Rorschach escrevendo corretamente, Harry Haiti, "inferno e danação" etc.
                    Last edited by Duncan Idaho; 29-01-2018, 12:21 AM.

                    Comment


                    • #11
                      Re: [AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

                      Postado originalmente por Duncan Idaho Ver Post
                      O mesmo Jotapê, mas dessa vez ele resolveu inventar novidades: Rorschach escrevendo corretamente, Harry Haiti, "inferno e danação" etc.
                      pqp... pra que inventar moda e prejudicar assim o trabalho dele mesmo, gente? e olha que em geral eu curtia as traduções dele, como do inferno, por exemplo, que mandou muito bem. (estou falando das edições que tenho, claro, da via lettera. não sei quem traduziu nem como ficou aquela edição mais recente em volume único).
                      I'm frightened by what I see
                      But somehow I know that there's much more to come

                      Comment


                      • #12
                        Re: [AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

                        E o lance do Rorschach "arrotar"? Rolou?
                        Konshu não é meu Deus!

                        Comment


                        • #13
                          Re: [AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

                          Postado originalmente por Cavaleiro da Lua Ver Post
                          E o lance do Rorschach "arrotar"? Rolou?
                          Sim.

                          Comment


                          • #14
                            Re: [AVALIAÇÃO] Watchmen - Edição Definitiva

                            Então essa HQ nunca verá a cor do meu dinheiro.
                            Eu tive ela em dois volumes pisa brite, da Panini, mas na época não consegui encarar a densidade da HQ. Se um dia encontrar aquela versão novamente, pegarei.
                            Lá pelo menos, o Kovacs não arrota.
                            Konshu não é meu Deus!

                            Comment

                            Working...
                            X