Anúncio

Collapse
No announcement yet.

[AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso



    A realidade corre o risco de ser estilhaçada e levar o mundo como o conhecemos junto com ela! John Constantine é uma das poucas pessoas capazes de fazer algo a respeito. Primeiro, algumas lendas urbanas parecem se tornar realidade, em seguida estranhos fantasmas aparecem para John e, finalmente, a estranha Igreja da Realidade Virtual entra em cena e revela que a ameaça que enfrentam é maior que qualquer outra. Parece que o Mago vai ter que sair da sua zona de conforto na Inglaterra e viajar aos Estados Unidos e à Austrália para salvar o planeta… mais uma vez!

    Este primeiro volume da nova série John Constantine, Hellblazer Demoníaco pretende reunir a passagem de PAUL JENKINS (Spectacular Spider-Man) pelos roteiros de Constantine. Mas, antes, quatro histórias de EDDIE CAMPBELL (Do Inferno) abrem o volume. Tudo com a arte de SEAN PHILLIPS (Criminal). Este volume reúne as edições 85 a 90 da série John Constantine, Hellblazer.

    História Originais: Hellblazer 85—90

    164 páginas, Papel LW, Capa Cartão, Lombada Quadrad, R$24,90
    Início de mais uma série de encadernados e mais uma fase de John Constantine. O roteirista da vez é Paul Jenkins, um dos mais longevos de Hellblazer.

    Ideias Bizarras: Antes da estreia de Jenkins, porém, vem um arco escrito por Eddie Campbell (aquele mesmo que desenhou Do Inferno). A história tem um começo bem bacana, com Constantine dando uma força para uma amiga e, de repente, sendo arrastado para uma treta apocalíptica por uma tríade de fantasmas bizarros. À primeira vista, parece o tipo de história que os fãs do mago inglês tanto curtem. Só que, depois do começo promissor, o negócio não decola. Pelo contrário.

    Eu achei o roteiro de Campbell arrastado, confuso e capenga. Algumas coisas são jogadas de qualquer jeito na história, como a Igreja da Realidade Virtual, que aparece e some sem grandes explicações.

    Além disso, a história se arrasta por quatro capítulos repletos de diálogos que pouco – ou nada – acrescentam. O fantasma do tal Francis Dashwood, por exemplo, tenta ser aquele personagem cool e carismático, mas se revela um chato de galocha. Na metade da história, eu já estava torcendo pra Constatine foder o mala logo, mas, infelizmente, isso só aconteceu no final do quarto capítulo, depois de torrar a sacolinha por mais de 100 páginas.

    Terreno Perigoso: Depois, vem a estreia de Paul Jenkins propriamente dita, em um arco dividido em duas partes.

    Na história de Jenkins as coisas dão uma melhorada, embora não seja nada de espetacular. Na verdade é uma trama bem padrão, que aproveita o fato de Campbell ter levado Constantine até a Austrália, e coloca o mago inglês para ajudar aborígenes prestes a serem expulsos de suas terras.

    Como é tão comum em suas aventuras, John tira uma sacada esperta no bolso para salvar o dia, além de passar a perna em mais uma divindade.

    Em suma, não é nada de extraordinário, mas é uma história que diverte, além de contar com um roteiro mais conciso, enxuto e bem estruturado que o de Campbell.
    Last edited by Cabral; 24-11-2016, 10:35 PM.

  • #2
    Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

    Essa fase do Jenkins deve sair em quantos volumes por aqui? Tô querendo comprar, mas ao mesmo tempo tô querendo evitar séries longas e economizar grana e espaço.

    Comment


    • #3
      Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

      Postado originalmente por Tuk Ver Post
      Essa fase do Jenkins deve sair em quantos volumes por aqui? Tô querendo comprar, mas ao mesmo tempo tô querendo evitar séries longas e economizar grana e espaço.
      Devem ser uns sete volumes mais ou menos.

      Comment


      • #4
        Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

        Postado originalmente por Garth Ellis Ver Post
        Devem ser uns sete volumes mais ou menos.
        Muita coisa isso... E tem também o fator periodicidade em questão.

        Comment


        • #5
          Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

          Periodicidade nem é o maior problema, o duro é que esse gibi é muito ruim. Se a fase toda do Jenkins for assim eu passo longe, Não chega nem perto das demais fases do personagem, principalmente pra quem estava empolgado lendo na ordem cronológica Delano, depois Ennis e agora isto...
          Vendo e compro alguns quadrinhos, quer ver a lista? É só clicar http://www.mbbforum.com/mbb/showthre...48#post4071048

          Comment


          • #6
            Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

            Então vou dar uma segurada e esperar comentários do próximo volume, pra decidir se compro essa fase.

            Comment


            • #7
              Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

              Farei o mesmo. Espaço não há!

              Comment


              • #8
                Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

                Essa fase do Demenkins é boa? Porque essa parte do Campbell é ruim que doi e não tô com muito ânimo de ir atrás de gibi ruim... Melhora ou não?

                Comment


                • #9
                  Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

                  Pelo visto, a melhor saída é aguardar o início da próxima fase.

                  Comment


                  • #10
                    Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

                    Esse primeiro volume é medonho de chato.

                    Vamos ver se melhora no próximo encadernado.

                    Comment


                    • #11
                      Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

                      porra, ninguém gostou da história do Eddie Campbell?


                      Quando eu a li nas duas edições que saíram pela finada Tudo em Quadrinhos achei o negócio loko, fantasma do Dashwood, Igreja da Realidade Virtual, o fantasma de uma turba e os comentários sassy do Dashwood e do Constantine ao longo da história. Vou reler pra ver se a impressão continua a mesma (e essa história eu reli várias vezes antes).


                      A história é bem loka e não é um primor, mas achei divertida

                      Comment


                      • #12
                        Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

                        Começo morno dessa fase "Demoníaco". O arco do Eddie Campbelle começa interessante, mas degringola do meio pro fim. A impressão que ficou é que ele teve que encerra-lo às pressas? Até porque fica a cargo do Paul Jenkins, nessas duas edições finais do encadernado, fechar alguns plots dessa viagem á Austrália. Como disse o Cabral, essa trama do Francis Dashwood não engrena, tem uns conceitos curiosos ali, mas é tudo tão solto...e ainda tem aquela questão: se é pra tirar o Constantine de seu habitat natural (Inglaterra), que seja por uma história incrível. Afinal, um dos maiores trunfos do personagem é seu elenco de personagens, como o Garth Ennis trabalhou muito bem. Daí aqui mandam ele pros EUA e pra Austrália, para interagir com um monte de personagem sem graça...

                        Mas os desenhos do Sean Phillips são ótimos - e assim como as capas das edições, seguindo um certo padrão muito legal.





                        A nova geração.

                        Comment


                        • #13
                          Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

                          Olha, com o tanto de comentário ruim até fiquei espantado, pensando que gostei da história por causa de "memória afetiva", mas aconteceu que eu me diverti TANTO QUANTO li da primeira vez essas histórias, publicadas pela Metal Pesado/ Tudo em Quadrinhos/ Fractal. Acontece que o negócio é que essas histórias são sim PIORES em relação ao material do Ennis que veio antes (e na época ainda li A Máquina do Medo do Delano), mas estão longe de serem ruins.





                          Aí o Eddie Campbell meio que tava loco, não sabia o que fazer, e conforme eu vi pela pesquisa do cara dos 2quadrinhos (vou postar o vídeo ao final), parece que ele tinha planejamento para vários arcos, várias ideias e tal. Quase que um proto-Hickman dos gibis Vertigo, mas naquela época chutaram o cara. Porém mesmo não enxergando mérito em história que poderia ser, eu enxergo mérito nessas histórias que tomam seu próprio ritmo para "sedimentar" o caminho para algo legal de verdade. E tem muita coisa legal nesse gibi.



                          Essa fantasma é uma das mais legais, pena que não aparece adiante


                          Eu particularmente achei muito foda a doidera do Darshwood, Murnar e a Vênus do Inferno aparecerem e pedirem ajuda ao Constantine. A história basicamente é isso: o cara quer que o Constantine sacaneie para ele, aí na metade do caminho o Constantine percebe o joguete e dá uma virada de mesa. Aí o resto é perfumaria, mas uma perfumaria boa e divertida, da do tipo que eu espero encontrar numa história do Hellblazer. Temos fantasma do Benjamin Franklin, Igreja da Doidera Virtual, vírus de tudo, aborígenes espirituais, uma cobra no meio do mato. Isso tudo grita Vertigo. Eu gosto muito. As vezes, nem tudo precisa ser explicado.





                          Sério, eu acho bem legal. As lendas urbanas tomam forma. Os diálogos do Cambpell também são muitos bons. Lembram mais um Delano sem sentido do que os do Constantine do Ennis. E como bem disseram, a arte do Phillips, que acredito vá ocupar toda a fase, é um espetáculo a parte, casando de forma precisa com a proposta do selo Vertigo. Não consigo imaginar desenhador melhor.





                          A segunda história é igualmente viajada, mas melhor "estruturada". Constantine fez amizade com Jeffo, o aborígene porra-loca que vive aos arredores da cidade onde o avião de Constantine se viu obrigado a fazer uma pousada forçada. Nisso, Constantine aproveita para fumar o cachimbo da paz dos aborígenes, e aproveita e os ajuda numa treta em relação as terras deles.




                          Essa história foi bem bacana, e lembrou os tempos de Metal Pesado onde se resolvia uma treta imensa do Constantine em no máximo duas edições. Além é claro, o SHANANIGAN que o mago lançou pra cima do espírito-serpente foi muito bem bolado e matreiro. Constantine sendo Constantine. Final bem fuderoso. Constantine ganha uma corneta de índio.





                          Postado originalmente por Cabral Ver Post
                          Ideias Bizarras: Antes da estreia de Jenkins, porém, vem um arco escrito por Eddie Campbell (aquele mesmo que desenhou Do Inferno). A história tem um começo bem bacana, com Constantine dando uma força para uma amiga e, de repente, sendo arrastado para uma treta apocalíptica por uma tríade de fantasmas bizarros. À primeira vista, parece o tipo de história que os fãs do mago inglês tanto curtem. Só que, depois do começo promissor, o negócio não decola. Pelo contrário.

                          Eu achei o roteiro de Campbell arrastado, confuso e capenga. Algumas coisas são jogadas de qualquer jeito na história, como a Igreja da Realidade Virtual, que aparece e some sem grandes explicações.

                          Além disso, a história se arrasta por quatro capítulos repletos de diálogos que pouco – ou nada – acrescentam. O fantasma do tal Francis Dashwood, por exemplo, tenta ser aquele personagem cool e carismático, mas se revela um chato de galocha. Na metade da história, eu já estava torcendo pra Constatine foder o mala logo, mas, infelizmente, isso só aconteceu no final do quarto capítulo, depois de torrar a sacolinha por mais de 100 páginas.

                          Postado originalmente por Daft Flores Ver Post
                          Começo morno dessa fase "Demoníaco". O arco do Eddie Campbelle começa interessante, mas degringola do meio pro fim. A impressão que ficou é que ele teve que encerra-lo às pressas? Até porque fica a cargo do Paul Jenkins, nessas duas edições finais do encadernado, fechar alguns plots dessa viagem á Austrália. Como disse o Cabral, essa trama do Francis Dashwood não engrena, tem uns conceitos curiosos ali, mas é tudo tão solto...e ainda tem aquela questão: se é pra tirar o Constantine de seu habitat natural (Inglaterra), que seja por uma história incrível. Afinal, um dos maiores trunfos do personagem é seu elenco de personagens, como o Garth Ennis trabalhou muito bem. Daí aqui mandam ele pros EUA e pra Austrália, para interagir com um monte de personagem sem graça...

                          Essa foi a fase de gibis que saiu aqui no Brasil logo após o fim da fase do Ennis, publicado pela Metal Pesado. Quando eu comecei a ler Hellblazer meu primeiro contato foi Ennis, depois voltei no tempo com Joe DeLano escrevendo aquela história A Máquina do Medo - que eu acho fantástica, mas entendo quem não curte. Depois dessa história, ter lido essa aí foi uma "brisa"

                          Ao meu ver, Constantine sempre foi meio assim "largado". Eu esperava mais que o escritor se destacasse por alguma coisa do que uma história realmente fuderosa, e pra mim as histórias eram fuderosas por conta disso. Hellblazer sempre teve um ritmo próprio, mais lento. Algumas coisas só estão lá para serem "legais", não importando muito o sentido. Aqui, como exemplo, tem a Igreja da Realidade Virtual. Eles não aparecem mais adiante. Aliás, nem é comentado direito o que aconteceu depois que o Murnar mata um deles, mas não importa, o importa é essa outra coisa legal aqui que o autor quer mostrar. E assim vai, deixando o leitor interessado no que está por vir.



                          Postado originalmente por Cabral Ver Post
                          Terreno Perigoso:

                          Como é tão comum em suas aventuras, John tira uma sacada esperta no bolso para salvar o dia, além de passar a perna em mais uma divindade.

                          Em suma, não é nada de extraordinário, mas é uma história que diverte, além de contar com um roteiro mais conciso, enxuto e bem estruturado que o de Campbell.
                          Isso é verdade, a história do Jenkins é mais direta. Porém eu me diverti também com a do Campbell. Pelo que falaram aqui, pensei que ia achar a história uma merda se lesse agora.

                          Comment


                          • #14
                            Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

                            Aconselho para quem tem insônia....

                            Comment


                            • #15
                              Re: [AVALIAÇÃO] - Hellblazer - Demoníaco Vol. 1 - Terreno Perigoso

                              Esqueci de postar o vídeo do 2quadrinhos sobre o gibi. Ei-lo:




                              Edit: porra, só eu gostei do gibi?
                              Last edited by Pato_Osborn_Olsen; 12-02-2017, 05:22 PM.

                              Comment

                              Working...
                              X