Anúncio

Collapse
No announcement yet.

Gibi O Alienista, de Machado de Assis

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • Gibi O Alienista, de Machado de Assis

    * De vez em quando até tem alguma notícia relevante no UHQ.

    http://www.universohq.com/quadrinhos...8042007_08.cfm







    O Alienista, de Machado de Assis, por Fábio Moon e Gabriel Bá

    Por Sidney Gusman (18/04/07)

    O AlienistaUm lindo trabalho. Assim pode ser definido O Alienista (formato 21 x 28 cm, 72 páginas coloridas, R$ 39,90), que está chegando às livrarias inaugurando a coleção Grandes Clássicos em Graphic Novel, da Agir, tradicional editora do Rio de Janeiro que foi adquirida pela Ediouro em 2002 e estréia - com estilo - no mercado de quadrinhos.

    A missão de transformar em quadrinhos um dos contos mais famosos de Machado de Assis coube aos gêmeos Fábio Moon e Gabriel Bá. E o resultado ficou excelente. "Nossa intenção era preservar ao máximo o texto original, o jeito que Machado de Assis escrevia. Mas, ao mesmo tempo, queríamos que fosse uma história em quadrinhos, não uma história ilustrada", declarou Moon ao Universo HQ.

    E os gêmeos alcançaram esse objetivo. Procurados pela Agir/Ediouro para inaugurar essa nova linha de quadrinhos, entre algumas opções de escritores, escolheram adaptar algo de Machado de Assis, apesar de, na época, ainda não terem lido O Alienista.

    Na história, publicada pela primeira vez em 1881, no periódico A Estação e, no ano seguinte, no livro Papéis Avulsos, Machado de Assis usa a loucura como forma de satirizar a sociedade, a política e os valores científicos do fim do século 19. O protagonista é o nobre Simão Bacamarte, o maior médico do Brasil, de Portugal e das Espanhas.

    Na Vila de Itaguaí, no Rio de Janeiro, Bacamarte se instala para aprofundar seus estudos sobre a mente humana e lá constrói um lugar para abrigar os loucos. O problema começa quando começa a internar pessoas aparentemente sãs. Frente à incredulidade dos moradores, o alienista encontra no barbeiro Porfírio seu principal antagonista.

    O Alienista "Foram quatro meses de trabalho. O primeiro dedicado apenas ao roteiro, definir o que entraria, o que sairia e o que deveria ser transformado na HQ - muita narração virou diálogo, pra dar mais ritmo à história e o Porfírio, por exemplo, ganhou mais força do que tinha no conto original. Depois dessa etapa, passei o restante do tempo só desenhando e colorindo", explica Fábio Moon.

    Nesta obra especificamente, Gabriel Bá ajudou apenas na adaptação do roteiro (por estar desenhando Casanova para o mercado norte-americano), enquanto o irmão, além de dividir essa mesma função, desenhou e coloriu as páginas. E na arte, em alguns momentos, é fácil notar a influência de Will Eisner no trabalho de Moon.

    Esta versão em quadrinhos de O Alienista tem tudo para ser adotada por escolas e bibliotecas do Brasil inteiro (algo que, certamente, a Agir/Ediouro tentará), pois mantém grande parte da obra original e, ao mesmo tempo, oferece aos novos leitores um estímulo visual maior, um jeito diferente de encarar os escritos de Machado de Assis.

    "Acho que é uma oportunidade legal para alguns fãs de HQs conhecerem essa obra tão importante; e de leitores de Machado de Assis lerem uma história em quadrinhos", ressalta Moon. Essa tese, aliás, é endossada pelo escritor Flávio Moreira Costa, que assina o prefácio da edição.

    O Alienista Como no conto não há descrição física dos personagens (exceto de D. Evarista, esposa de Simão Bacamarte), Moon os concebeu da forma como os imaginava. Sua Itaguaí também tem um ar bem clássico e tradicionalista, que fica ressaltado nas cores, uma mescla de preto com marrom e amarelo, imitando o sépia.

    E a Agir/Ediouro dá mostras de acreditar bastante no sucesso dessa coleção. "Foi o meu trabalho de quadrinhos mais bem remunerado. Pela primeira vez, recebi um adiantamento dos royalties de uma obra inédita", contou Moon.

    Em contato com a editora, o UHQ apurou que os próximos autores que terão obras adaptadas na coleção Grandes Clássicos em Graphic Novel serão Euclides da Cunha, Lima Barreto, João do Rio, entre outros. Os nomes dos desenhistas e das obras ainda não foram divulgados.

    A versão de Moon e Bá de O Alienista será lançada em São Paulo, no dia 26 de abril, às 19 horas, na Livraria da Vila (Rua Fradique Coutinho, 915 - Vila Madalena - Tel.: 0XX-11-3814-5811).

    Recentemente, a obra ganhou outra adaptação para os quadrinhos, feita por Francisco S. Vilachã para a coleção Literatura Brasileira em Quadrinhos, da Escala Educacional.
    Viciado em documentários?
    http://youtubedocs.tumblr.com/

  • #2
    quem achou a alfinetada quota aí...

    Comment


    • #3
      Postado originalmente por uncle dread
      quem achou a alfinetada quota aí...
      Acho que falar de quadrinhos por si só já é a alfinetada.
      I have a very assertive way. It's wake up, move your ass, or piss off home.

      Comment


      • #4
        Old. Isso já saiu no Almanaque Virtual desde sexta passada.

        Comment


        • #5
          Postado originalmente por Scott Summers
          Old. Isso já saiu no Almanaque Virtual desde sexta passada.


          Compre aqui sua camiseta de tokusatsu

          http://www.vitrinepix.com.br/clockup

          Comment


          • #6
            engraçado ver esse tópico logo agora. Acontece que hoje mesmo vi esse livro na livraria onde trabalho. Não resisti e dei uma folheada, ainda mais que esse conto é um dos de Machado de Assis que irão cair no vestibular da UFMG. Seria uma boa ler em quadrinhos porque Machado de Assis é difícil.

            Comment


            • #7
              Putz achei o livro muito bom! Até daria uma olhada nisso ae, mas nao ando com dinheiro pra sair gastando assim...
              "THEY DREW FIRST BLOOD, NOT ME."

              Comment


              • #8
                Há alguns anos, vi uma matéria na TV Cultura de que vários artistas nacionais estavam vertendo contos de Machado de Assis para os quadrinos; Lourenço Mutarelli, por exemplo, estava adaptando A causa secreta, mas nunca mais tive notícia dessa edição.


                Espero que essa adaptação dos irmãos Bá seja melhor do que o especial de uma hora de duração que a Globo uma vez fez, com a direção de Guel Arraes (acho), mas ficou muito ruim, muito diferente do conto original, sem aquela sutileza machadiana, que diz tudo usando meias-palavras, silêncios e entrelinhas.
                "Mães, tendes em vossas mãos a salvação do mundo". Léon Tolstoi

                "Só as mães são felizes."

                Comment


                • #9
                  Machado é gênio e O Alienista é genial, espero que seja boa

                  Comment


                  • #10

                    Comment


                    • #11
                      O conto é genial. O melhor trabalho que já lí do Machado, depois de Memórias Póstumas de Bras Cubas (um dos melhores livros que já lí na vida).

                      Dependendo da grana, devo cofrar. Ainda não conheço a arte dos irmãos...
                      Não sei quanto às outras pessoas, mas quando me abaixo para colocar os sapatos de manhã, penso: "Deus Todo-Poderoso, o que é agora?"

                      Comment


                      • #12
                        Tinha aquela coleção Classics Illustrated e Literatura em quadrinhos no Brasil com diversas obras literárias que eram muito legais também...
                        Postado originalmente por FLUFFY
                        Gosto do MBB por isso. As coisas mais bobas do mundo sempre ganham proporção de tragédia grega

                        Comment


                        • #13
                          O conto já conheci também, mas acho que seria muito mais fácil a leitura através do gibi.

                          Comment


                          • #14
                            Os Desenhos são Sensacionais!
                            Bela Lugosi's Dead.

                            Comment


                            • #15
                              * Machado de Assis é um dos poucos escritores que não ficou se baseando no regionalismo. Se fosse um autor que escrevesse em inglês ou espanhol, seria muito mais conhecido. Mesmo Nelson Rodrigues não tem a mesma graça pra quem não conhece o contexto brasil/rio de janeiro. Esqueçam a chatice da época do verstibular e leiam novamente agora.
                              Viciado em documentários?
                              http://youtubedocs.tumblr.com/

                              Comment

                              Working...
                              X