Anúncio

Collapse
No announcement yet.

[RPG] Cena ???: O Segredo da Cachoeira

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • #16
    Re: Aquecimento RPG Cross

    Postado originalmente por lelouch Ver Post
    Victor Von Doom, aspirante a mago supremo

    Esse cajado serve pra alguma coisa ou é um pedaço de pau?


    Eu imagino que seja tipo o pauzinho da magia do Thomélur.
    Last edited by Lucas Hollanders Braga; 07-12-2017, 09:04 AM.
    "Não, eu não sou imortal, o único imortal aqui é Hyunkel, se continuar levando ataques assim eu casualmente irei morrer. Mas mesmo que eu morra não posso permitir que você tire Dai de nós, Baran, por que ele é nosso Sol, então irei sacrificar minha vida por ele! Venha Baran e lute comigo!!!"
    (Crocodine - O Rei das Feras [Dragon Quest - Adventure of Dai])

    Comment


    • #17
      Re: Aquecimento RPG Cross

      Ok, será "Victor" então. Mas você entendeu como rola o jogo né? Não é cross de gibi, é tipo RPG mesmo. O mago usa "magias por dia", então você pode lançar 4 vezes suas magias, na ordem que quiser, mas acabando o limite, só 24 horas depois pode lançá-las de novo.

      Hoje já posto a história inicial e a primeira cena. A partir dela vocês já podem começar a fazer as ações.

      O que tiverem que falar como vocês mesmos, ou seja, como jogadores, postem entre parênteses.

      - - - Updated - - -

      O cajado é um pedaço de pau, mas serve pra uma caralhada de coisas, como se escorar caso machuque o pé, ou desativar uma armadilha sem ter que usar as mãos. Só não tem magia embutida.

      Os outros não precisam se sentir mal para você se sentir bem.

      "Bold motherfucker, don't you limit your mind?"

      Comment


      • #18
        Re: Aquecimento RPG Cross

        BACKGROUND

        Spoiler!


        Em reinos próximos, toda sorte de movimentos nacionalistas eclodiram quase que simultaneamente, ante ao avanço desenfreado de tropas bárbaras vindas da região sul do continente. Através de alianças e promessas, os líderes da nobreza acreditavam que a unificação dos fragmentos de reinos em um único governo central seria a melhor forma de solidificar a estrutura política e econômica para impedir o assédio bárbaro.

        No entanto, no Reino Central de Brunnen, ondas revolucionárias surgiram primeiramente em pequenos focos, e depois ganharam grande força, quando rumores de que as tropas bárbaras estavam sendo financiadas pelo próprio Rei Comarg II e seus asseclas, principalmente o Duque Aldair de Gestein. Dizia os rumores que as guerras eram apenas uma justificativa para a unificação dos povos e sobretaxamento da população, que há muito demonstrava grande interesse em uma separação total dos reinos circundantes à Brunnen.

        As revoluções se agravaram com a morte do Rei Comarg II. Informantes oficiais disseram que o Rei fora acometido por uma grave doença, mas algumas fontes atestavam que fora um atentado quem levou o regente à morte, o que não poderia ser publicado pelo fato de tal notícia daria uma força descomunal às insurgências.

        O Duque Aldair teve de assumir a Regência Provisória, ante ao fato de o rei morto não ter tido um sucessor homem, e sua única herdeira não ter idade suficiente para casar ante às leis religiosas vigentes. A assunção de Aldair no entanto se demonstrou prematura, uma vez que os demais aliados do Rei Comarg II não o tinham como líder e se negavam a dar-lhe total apoio militar e financeiro sem uma demonstração inequívoca de sua condição de verdadeiro Regente.

        Caído em desgraça, e se vendo cada vez mais sem posses e haveres, o agora Regente Aldair tomou uma medida desesperada: junto com seus adeptos, se lançou à uma busca incessante por uma solução, uma demonstração de poder que agradasse os aliados e pudessem levá-los a uma vitória contra os rebeldes e, então, contra os bárbaros.

        Aldair e seus adeptos ficaram ausentes dos olhos públicos por alguns meses, até que estranhos acontecimentos passaram a ocorrer na cidade de Berg, cidade central do Ducado de Gestein, onde se localizava o castelo de Aldair. Mulheres, crianças e animais pequenos começaram a morrer inexplicavelmente. Doenças incuráveis se manifestaram entre a população e as plantas começaram a tomar colorações e formas estranhas. Na primeira noite de lua cheia, os habitantes de Berg puderam ver que o céu acima do castelo de Aldair tinha uma coloração avermelhada. A aproximação de animais notívagos também alertou os homens de Berg que o castelo era o epicentro das coisas estranhas, motivo que os levou a uma incursão de diversos homens aos seus interiores, armados com espadas e escudos.

        Os homens que se lançaram ao castelo descobriram a que "solução" Aldair recorreu para obter poder: havia se lançado às artes mágicas e encontrado um esquecido ritual de conjuração. Tentava conjurar um verdadeiro demônio à terra, mas esta tentativa inicialmente falhara, e a única coisa que Aldair conseguira foi trazer um resquício do inferno. A segunda tentativa fora parcialmente impedida pelos homens que morreram no castelo, tentando assassinar Aldair e impedir a finalização do ritual. Porém, munido de magias negras, o Duque e alguns de seus melhores homens escaparam, mesmo que à beira da morte.

        ------------

        Vocês foram contratados por alguns dos nobres aliados da antiga côrte do Rei Comarg II. Preocupados com as intenções de Aldair, estes nobres querem impedí-lo de completar sua loucura. No entanto, ante ao recrudescimento das revoluções separatistas, que os ameaçam mais gravemente do que jamais acontecera até aquele momento, os nobres não dispunham de soldados nem recursos para encontrarem Aldair e seu bando, tendo em vocês a melhor solução para tal.

        O valor da caçada era alto. Vocês o caçaram por cerca de dois meses, e encontraram seu rastro. Mas ao mesmo tempo que conseguiram pistas de onde Aldair estava, perderam contato com os nobres, principalmente porque as revoluções alcançaram seu pico de estresse, e obtiveram a informação de que o Duque estaria fazendo uma terceira e tentativa de conjuração.

        Nesse momento, com o valor do prêmio pela cabeça de Aldair lhes subindo à cabeça, e face à urgência da tomada de alguma medida para impedí-lo, vocês acreditaram que vocês três seriam mais que o suficiente para matá-lo. E é assim que o jogo começa.

        (Logo mais postarei a primeira cena e aí vocês já podem começar, ok?)

        Os outros não precisam se sentir mal para você se sentir bem.

        "Bold motherfucker, don't you limit your mind?"

        Comment


        • #19
          Re: Aquecimento RPG Cross

          Cena 1

          Após muito tempo em busca de Aldair e seus discípulos, tendo seguido pistas muitas das vezes imprecisas, e se baseado na pouca informação confiável que coletaram ainda no castelo do duque, vocês chegam ao vilarejo de Holz, nas regiões limítrofes do Ducado de Gestein. Esse é o único vilarejo há centenas de quilômetros, e talvez – vocês acreditam – o único contato com humanos antes de partirem viagem em busca do esconderijo de Aldair.

          Confrontando as informações coletadas, vocês chegaram à conclusão de que Aldair sempre fora um nobre excêntrico, e que esta era sua característica mais marcante, inclusive a preferida do Rei Comarg II. Uma de suas excentricidades era explorar e, a partir da exploração, armar sítios arqueológicos com o fim de investigar e estudar as civilizações e raças antigas. “Sigivald” era o nome do principal historiador à cargo de Aldair, inclusive seu braço direito. Sigivald, além de grande conhecedor de línguas e raças antigas, era um expert em arquitetura e monumentos ancestrais. Foi ele quem buscou relatos em livros e pergaminhos antigos acerca da existência da Dama Esquecida, uma colossal escultura de mármore enterrada sobre uma floresta às margens do Ducado de Gestein. Um sítio arqueológico fora formado ao redor de onde se supunha a existência desse achado histórico (a Dama Esquecida), e toda a missão foi chefiada por Sigivald, tendo obtido êxito parcial. Somente a cabeça e uma das mãos da Dama Esquecida foi escavada (ela parece ter sido esculpida deitada/adormecida), tendo o restante de seu corpo permanecido oculto.

          Com o chamado de Sigivald foi chamado à cidade de Berg (quando as ondas revolucionárias tomaram forma), o sítio foi desocupado e os trabalhadores dispensados. O Sítio da Dama Esquecida ficou desativado por meses, mas fortes indícios indicam que Aldair, Sigivald e os demais pupilos retornaram ao sítio arqueológico e fizeram dele seu esconderijo para suas práticas malignas.

          Vocês estão no vilarejo de Holz, onde todos os aldeões vivem vidas precárias e de condições subumanas. Quase todos vivem em meio à sujeira, o que explica o fato de quase 30% da pequena população apresentar doenças. Contudo, as doenças são semelhantes às apresentadas pelos cidadãos de Berg, fazendo vocês concluírem que Aldair está próximo e já iniciou seu plano de conjurar um demônio à terra.

          Vocês não sabem a localização exata do Sítio da Dama Esquecida, e com o pouco contato que tiveram, souberam que uma pequena parte de aldeões trabalhou para Sigivald. Apesar de humildes, os aldeões não são educados ou honestos.

          (Vocês estão livres para agir.)

          Os outros não precisam se sentir mal para você se sentir bem.

          "Bold motherfucker, don't you limit your mind?"

          Comment


          • #20
            Re: [RPG] Cena 1: Expedição ao Sítio Arqueológico

            Essa aldeia fede.

            Essa aldeia fede quase tanto quanto um acampamento militar. Me sinto em casa.

            Na rua coberta de lama, moças vendem o corpo por moedas de cobre. Algumas até bem bonitas. Se tirassem a sujeira das faces e o fedor das roupas seriam até desejáveis. Soldados sempre precisam de prostitutas. Elas ajudam a elevar o moral das tropas. Elas trazem momentos de alegria entre as escaramuças.

            Mas eu não estou aqui para trepar com uma prostituta. Estou aqui para encontrar um maluco e dar fim as suas práticas absurdas.

            Vejo um aldeão passar com sua carroça. Uma carcaça de porco recém abatido jaz ali, já juntando moscas.

            Me aproximo do homem.



            - Homem, onde fica a taverna? Preciso beber e talvez trepar com uma puta limpinha. (jogo uma peça de cobre na direção do homem)

            Ele é um aldeão indistinto. Apenas mais um imundo, doente e pobre. Um coitado.

            "Não, eu não sou imortal, o único imortal aqui é Hyunkel, se continuar levando ataques assim eu casualmente irei morrer. Mas mesmo que eu morra não posso permitir que você tire Dai de nós, Baran, por que ele é nosso Sol, então irei sacrificar minha vida por ele! Venha Baran e lute comigo!!!"
            (Crocodine - O Rei das Feras [Dragon Quest - Adventure of Dai])

            Comment


            • #21
              Re: [RPG] Cena 1: Expedição ao Sítio Arqueológico

              (Você não era mulher? )

              Os outros não precisam se sentir mal para você se sentir bem.

              "Bold motherfucker, don't you limit your mind?"

              Comment


              • #22
                Re: [RPG] Cena 1: Expedição ao Sítio Arqueológico

                Postado originalmente por Blackhouse Ver Post
                (Você não era mulher? )
                (Sim, mas ela é, antes de tudo, uma militar, sem frescura, sem nojinho, ela é uma mulher forjada com fogo e afiada em pedra, fria como metal. Ela não liga de ser gentil, não liga se pega homem, mulher, orc, anão, humano... Ela é um soldado.)
                "Não, eu não sou imortal, o único imortal aqui é Hyunkel, se continuar levando ataques assim eu casualmente irei morrer. Mas mesmo que eu morra não posso permitir que você tire Dai de nós, Baran, por que ele é nosso Sol, então irei sacrificar minha vida por ele! Venha Baran e lute comigo!!!"
                (Crocodine - O Rei das Feras [Dragon Quest - Adventure of Dai])

                Comment


                • #23
                  Re: [RPG] Cena 1: Expedição ao Sítio Arqueológico

                  se continuar assim, minha personagem vai ser feminista

                  Dossie do Conan : http://www.mbbforum.com/mbb/showthre...onan-O-Barbaro
                  Feitos do Batman : http://batmanfeats.blogspot.com.br/

                  Postado originalmente por Void
                  A impossibilidade de realizar seus sonhos causa infelicidade. É melhor não sonhar e viver em indiferença e mediocridade.

                  Comment


                  • #24
                    Re: [RPG] Cena 1: Expedição ao Sítio Arqueológico

                    Postado originalmente por American Vandal Ver Post
                    se continuar assim, minha personagem vai ser feminista
                    (Demorou! Vamos sair da caixinha. Vamos dar identidade pra esses personagens.)
                    "Não, eu não sou imortal, o único imortal aqui é Hyunkel, se continuar levando ataques assim eu casualmente irei morrer. Mas mesmo que eu morra não posso permitir que você tire Dai de nós, Baran, por que ele é nosso Sol, então irei sacrificar minha vida por ele! Venha Baran e lute comigo!!!"
                    (Crocodine - O Rei das Feras [Dragon Quest - Adventure of Dai])

                    Comment


                    • #25
                      Re: [RPG] Cena 1: Expedição ao Sítio Arqueológico

                      era pro destro

                      Dossie do Conan : http://www.mbbforum.com/mbb/showthre...onan-O-Barbaro
                      Feitos do Batman : http://batmanfeats.blogspot.com.br/

                      Postado originalmente por Void
                      A impossibilidade de realizar seus sonhos causa infelicidade. É melhor não sonhar e viver em indiferença e mediocridade.

                      Comment


                      • #26
                        Re: [RPG] Cena 1: Expedição ao Sítio Arqueológico

                        posso postar ?


                        Audrey, não sabia se ria ou enfiava a cabeça num buraco. Claramente devido a formação militar, a guerreira elfica não entendia que tais atitudes nesse fim de mundo poderia ser no minimo... comprometedora. Estava cansada da presença da guerreira desde que começou essa jornada infernal, mas era isso ou apodrecer em um buraco escuro.
                        Enquanto a guerreira interrogava o pobre homem, com seus sentidos afiados já ouviu os barulhos de farra e avistou alguns jovens indo em direção a provável taverna.
                        "me siga " disse baixo sussurrando para o jovem de capa verde, ignorando a guerreira enquanto já ia em direção ao seu destino

                        Dossie do Conan : http://www.mbbforum.com/mbb/showthre...onan-O-Barbaro
                        Feitos do Batman : http://batmanfeats.blogspot.com.br/

                        Postado originalmente por Void
                        A impossibilidade de realizar seus sonhos causa infelicidade. É melhor não sonhar e viver em indiferença e mediocridade.

                        Comment


                        • #27
                          Re: [RPG] Cena 1: Expedição ao Sítio Arqueológico

                          Doom tomou a frente de seu companheiro e se dirigiu a tarvena. Entrou no local, e proximo da entrada, deu uma boa olhada para todo o local. Foi até uma mesa vazia no canto do bar e se sentou. Pediu uma bebida e ficou ali observando o movimento.
                          Dossiês: DCNU Flash - Thor Godblast - Evolução dos poderes mágicos do Dr.Doom - Death Sentry

                          Todos os confrontos: Thor vs Destruidor | Ciclope vs Wolverine

                          Comment


                          • #28
                            Re: [RPG] Cena 1: Expedição ao Sítio Arqueológico

                            (Galera, para o jogo ser mais dinâmico, eu vou aproveitar algumas coisas que vocês escrevem com relação ao cenário ou aos fatos, mas outras, não. Tudo o que eu falar na narração, ocorreu; o que eu não falar, é porque não existiu - justamente pelo fato de não ser interessante para nosso jogo, especialmente em virtude da coesão e da necessidade de rapidez no deslinde, ok?)

                            Aldeia de Holz

                            Um dos aldeãos é abordado por vocês três. Lillane é a primeira a falar. Até certa altura da conversa, o homem de roupas maltrapilhas e sujas, com a pele apresentando feridas abertas e alguns dentes faltando em sua boca, tem a dificuldade de entender se estava falando com alguém do sexo masculino ou feminino. Por se tratar de um elfo, uma raça "complicada" de se entender, especialmente pelo tom efeminado de seus membros, o velho aldeão decidiu tomar Lillane como um membro do sexo masculino.

                            - Bem - disse o velho segurando a moeda de cobre ainda no ar - "Puta" é algo que não temos por aqui, meu senhor, vá me desculpar. Todas as nossas mulheres e filhas não se prestam a isso. Algumas até se desgarram e se casam com homens de Berg, outras são levadas à força pelos porcos do Rei, mas nenhuma delas se prestam a isso.

                            Após cospir um catarro verde no chão, ele prossegue: - E ainda que tivéssemos gente desse tipo por aqui, duvido muito que o senhor iria querer se envolver com alguma rapariga, senhor.

                            Com um aceno de braço, como se fosse um guia turístico, ele aponta para a aldeia de Holz, e completa: - não é apenas suja e feia, como vocês podem ver, os deuses agora decidiram nos punir um pouco mais como se não bastasse toda a punição a qual viemos suportando por gerações. Uma doença se espalhou entre nossas crianças, mulheres e animais.

                            - Quando mortos, queimamos seus corpos nas valas para que a doença não se espalhe... Mas ela continua se espalhando. Deve ser algo no ar, ou uma maldição mesmo.

                            Vocês percebem que existem muitas moscas no lugar. O cheiro ruim certamente deve vir das valas abertas espalhadas por toda a vila.

                            Após alguns minutos de conversa, alguns jovens começam a se aproximar com curiosidade ao redor de vocês. Seus trajes e armas chamam a atenção, e não demora muito para que quase todos eles comecem a mendigar.

                            - Olha, somos todos muito pobres por aqui, moço. O homem que às vezes passava com seu burro lotado de garrafas de rum e vinho há muito tempo não passa, e não sabemos o porquê (N.N.: vocês imaginam que seja por causa das revoluções e do perigo das estradas). Mas existe o Tomas, o dentista. Com algumas economias, ele costumava comprar algumas dezenas de garrafas a cada passagem do viajante e seu burro e vender algumas doses para quem quisesse comprá-las. Talvez ele ainda tenha algumas garrafas escondidas e queira vendê-las a vocês. Ele mora logo ali.

                            Vocês se dirigem à casa do Tomas, o dentista, e ao bater em sua porta de madeira, são recebidos por um homem tão sujo e mal arrumado como os demais, porém de uma estatura maior e um pouco mais de opulência e saúde. Ele está vestindo um avental branco manchado de sangue por cima da roupa de algodão. Enquanto ele limpa as mãos igualmente sujas de sangue no avental, um jovem passa ao seu lado, saindo da casa, segurando o maxilar e reclamando de dor.

                            Quando descobre que vocês querem bebidas, ele diz que tem algumas garrafas de conhaque e que poderia vender algumas doses e algumas informações caso vocês desejem. Oferece ainda a mesa de madeira de sua casa para vocês se sentarem, só pede um pouco de paciência para que ele tire suas parafernálias de cima (a mesa é também seu local de cirurgia).

                            Após colocar um copo para cada um e algumas doses generosas e caras, ele demonstra interesse na chegada de vocês e está disposto a ajudá-los no que for possível.

                            (Vocês estão livres para agir).

                            Os outros não precisam se sentir mal para você se sentir bem.

                            "Bold motherfucker, don't you limit your mind?"

                            Comment


                            • #29
                              Re: [RPG] Cena 1: Expedição ao Sítio Arqueológico

                              Uma cidade sem putas deve ser uma cidade medíocre. Sorrio. Apenas verdades.

                              O aldeão me trata como homem. Tolo. Não sou homem. Não sou mulher. Sou um soldado.

                              Os outros nos indicam o dentista. Homem mais saudável que os demais. O dinheiro ainda pode comprar saúde.



                              Bebo meu conhaque de um gole e faço gesto para que sirva outro.

                              - Gosta de estátuas antigas, homem? Ficamos sabendo de uma estátua de mulher enterrada. Sabe onde?

                              Sou objetiva. Sou um soldado. Nada de rodeios para mim. Não. Apenas quero a informação e sair dessa pocilga.

                              Mantenho minha mão no cabo da espada e bebo com a mão esquerda. O homem é grande. Se tentar algo estarei preparada.
                              "Não, eu não sou imortal, o único imortal aqui é Hyunkel, se continuar levando ataques assim eu casualmente irei morrer. Mas mesmo que eu morra não posso permitir que você tire Dai de nós, Baran, por que ele é nosso Sol, então irei sacrificar minha vida por ele! Venha Baran e lute comigo!!!"
                              (Crocodine - O Rei das Feras [Dragon Quest - Adventure of Dai])

                              Comment


                              • #30
                                Re: [RPG] Cena 1: Expedição ao Sítio Arqueológico

                                passo.

                                Dossie do Conan : http://www.mbbforum.com/mbb/showthre...onan-O-Barbaro
                                Feitos do Batman : http://batmanfeats.blogspot.com.br/

                                Postado originalmente por Void
                                A impossibilidade de realizar seus sonhos causa infelicidade. É melhor não sonhar e viver em indiferença e mediocridade.

                                Comment

                                Working...
                                X