Anúncio

Collapse
No announcement yet.

Fic Interativo!

Collapse
X
 
  • Filter
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • Fic Interativo!

    Escuro.

    A consicência volta aos poucos. A pulsação é a primeira coisa que sinto. Pesada. Forte.

    Abro os olhos. Não reconheço o lugar. Estou deitado em um colchonete novo, sem lençol, com estampa de palhacinhos.

    Ao meu lado uma mesinha de cabeceira com uma luminária que ilumina com uma luzinha fraca o ambiente.

    Aos poucos a visão se adapta à penumbra e consigo ver o quarto todo.

    Não há mais nada além do colchonete e da mesinha. O piso é frio e liso. Estou descalço.

    Levanto e sinto uma grande tontura. Me deito novamente por uns minutos até que a sensação de enjôo passe.

    Devagar, dessa vez, levanto e me dirijo para a porta. Não há janelas no quartinho. Giro a maçaneta. A porta se abre para uma escuridão quase total.

    Instintivamente tateio a parede perto da porta em busca de um interruptor. Dou sorte. Com um clique a sala se ilumina. A primeira coisa que vejo é um(a) ________________.

    * * * * * * *

    Finciona assim, o primeiro que preencher a lacuna eu continuo depois, improvisando em cima do que escreverem. Só se pode sugerir 1 palavra, a não ser que eu indique o contrário.
    ùltima Leitura: Razoável
    sigpic
    Mister No #6 (RECORD)

    http://www.tumblr.com/blog/ultimaleitura

  • #2
    orangotango.

    Fight Rockman! For everlasting peace!

    Comment


    • #3
      kakakakakakakakka

      imagina.. orangotango.. rs
      ___________________________________


      Comment


      • #4
        Instintivamente tateio a parede perto da porta em busca de um interruptor. Dou sorte. Com um clique a sala se ilumina. A primeira coisa que vejo é um orangotango.

        O animal está entretido com um brinquedo de cordas coloridas e num primeiro momento não desvia sua atenção do brinquedo.

        Fico congelado de medo. Sempre tive medo de macacos grandes: gorilas, orangotangos, babuínos, até mesmo chimpanzés.

        Engulo em seco tentando não chamar a atenção do animal, mas agora é tarde. Ele levanta sua grande e gorda cabeça e olha em minha direção.

        Aquilo me assusta tanto que nem me lembro de fechar a porta e voltar para o quartinho onde estava antes.

        Meu primeiro instinto é fugir dali, até porque no quartinho eu estaria encurralado pelo orangotango.

        Lentamente começo a me mover em direção à outra porta no cômodo, na parede exatamente oposta por onde vim.

        Colo na parede, deslizo sem me desgrudar dela, comos e aquilo me mantivesse a salvo do orangotango.

        O bicho se levanta e dá dois passos para o lado, se colocando justamente entre a porta e eu. Congelo.

        O terror faz com que eu faça o reconhecimento da sala em menos de dois segundo. Este cômodo é bem maior do que aquele onde acordei. Também é mais mobiliado: uma mesa pequena, com quatro cadeirinhas, todas com desenhos infantis de bichinhos.

        Nas paredes, alguns pôsteres de bichinhos, circo, zoológico. Há uma estante, no local onde o orangotango estava quando abri a porta. Está cheia de brinquedos.

        Minhas observações são interrompidas pelo orangotango. Ele faz um barulho com sua boca, olhando para mim, como se tentando se comunicar.

        Olho para ele ioncrédulo. O animal pega o brinquedo de cordas coloridas e joga perto do meu pé. Diante da minha indefinição do que fazer, ele emite o mesmo som, com maior insistência.

        Abaixo lentamente pois imagino que ele queira que eu pegue o brinquedo. Quando o faço, o bicho dá um grito e pula na minha direção, me derrubando.

        Agora o orangotango está sobre meu corpo, cuidando para que seu peso não seja um desconforto para mim, mas me imobilzando no chão ao mesmo tempo.

        O brinquedo ainda está na minha mão. Atiro ele longe, o orangotango percebe isso, mas não sai de cima.

        Ele abre sua bocarra, que tem um cheiro horrível, aproximando-a da minha cara. Num misto de terror e nojo, fecho os olhos. Uma lambida do queixo até a testa. O pseo some de cima de mim.

        Abro os olhos. O animal joga de novo o brinquedo na minha direção e faz o mesmo som com a boca. Fico aliviado, pois ele aparentemente só quer brincar. Mas como terminaria essa brincadeira?

        Dou um passo para o lado e apanho novamente o brinquedo. Miro meu arremesso no interruptor. Jogo o brinquedo nele e apago a luz. Ao mesmo tempo, me jogo para o lado e sinto o corpo peludo do animal se jogar no local onde eu estava.

        Corro para a outra porta, abro, entro no outro cômodo e fecho a porta num único movimento. Lá dentro ouço o animal se debatendo, furioso ou triste por ter perdido seu colega de brincadeira.

        Esse cômodo é iluminado pela luz do dia, que entra por duas largas janelas. Parece um laboratório, com estantes cheias de tubos e compartimentos. Há dois pequenos refrigeradores num canto. Um computador.

        Há duas protas, uma em cada canto. Vou até uma das janelas para tentar me localizar. Estou num prédio de uns 3 ou 4 andares, e vejo uma floresta tropical se estender até onde a vista alcança.

        Nunca estive nesse lugar antes e não tenho idéia de como vim parar aqui. Abro uma gaveta a esmo numa escrivaninha e encontro um(a) _________________.
        ùltima Leitura: Razoável
        sigpic
        Mister No #6 (RECORD)

        http://www.tumblr.com/blog/ultimaleitura

        Comment


        • #5
          vibrador

          Fight Rockman! For everlasting peace!

          Comment


          • #6
            Postado originalmente por Rockman
            vibrador

            PUTA QUE PARIU AUHAUHHUAHUAHUAHUAHUAUHAHUA

            Comment


            • #7
              Nunca estive nesse lugar antes e não tenho idéia de como vim parar aqui. Abro uma gaveta a esmo numa escrivaninha e encontro um vibrador.

              Fico paralisado por alguns segundos, até chegando a esquecer do orangotango na sala ao lado, de tanta surpresa.

              Abro mais a gaveta e vejo que ela está entupida de acessórios eróticos ou "brinquedos sexuais": vibradores e consolos de vários modelos e tamanhos, algemas, calcinhas, chicotinhos, vendas, lubrificantes.

              Que tipo de gente coloca acessórios sexuais em um laboratório? Em que tipo de lugar eu vim parar? Abro mais uma gaveta e ela está entupida de camisinhas. Modelos com sabor, com textura, de várias nacionalidades. Há até alguns modelos que dizem ser para "tamanhos maiores".

              As outras portas e gavetas estão igualmente tomadas de produtos que estariam mais à vontade em sex-shops: revistas de sacanagem, DVDs pornográficos, lingerie, roupas de fetiche. Os regrigeradores têm tubinhos com líquidos congelados que nem tento descobrir o que sejam.

              A idéia me parece bizarra, mas parece que este é um laboratório dedicado a estudar a libido. Tudo o que é relacionado ao sexo. Por um momento a presença de um dócil e brincalhão orangotango na sala ao lado me faz ter calafrios. Mal imagino os abusos que o pobre animal já sofreu nesse laboratório de pervertidos.

              Imediatamente penso em fugir dali. Olho em volta em busca de um telefone. Não vejo nenhum ali. Penso em ligar o computador, mas de que me adiantaria? Talvez seja protegido por senha e só me faria perder tempo. O que tenho que fazer é fugir.

              Atabalhoadamente traço um plano rudimentar. Tenho que achar uma mochila ou bolsa onde possa carregar tudo o que eu encontre para sobreviver na floresta lá fora. Lanterna, um cantil de água, comida, se possível um mapa e sapatos. Não ouso voltar para buscar o colchonete, sabendo que o orangotango estará no caminho. O animal é dócil, mas meu medo de símios em geral é mais forte que a lógica.

              Quando estou prestes a abrir uma das portas do estranho laboratório sexual, ouço uma sirene, e só então vejo alto-falantes nos cantos do aposento.

              Uma voz feminina anuncia:

              "Atenção todos(as) os(as) ______________. Apresentem-se no terceiro nível, sala 12".

              Abro a porta e vejo no corredor em frente o número 3 pintado em vermelho. Na porta, o número 12. Antes que eu possa reagir, ouço passos se aproximando.
              ùltima Leitura: Razoável
              sigpic
              Mister No #6 (RECORD)

              http://www.tumblr.com/blog/ultimaleitura

              Comment


              • #8


                videntes.

                Fight Rockman! For everlasting peace!

                Comment


                • #9
                  Estupradores Gays,

                  Comment


                  • #10
                    Postado originalmente por Innukchuck
                    Estupradores Gays,
                    Chegou tarde, o Rocky tá sendo meu saidequique nessa empreitada!

                    Não sei se dá pra continuar hoje, tentarei, vejamos.
                    ùltima Leitura: Razoável
                    sigpic
                    Mister No #6 (RECORD)

                    http://www.tumblr.com/blog/ultimaleitura

                    Comment


                    • #11
                      Porra, Não podem ser Estupradores gays videntes?

                      Comment


                      • #12
                        A regra é clara!

                        Além disso a regra diz UMA palavra, você botou duas, eu não teria aceitado sua sugestão.
                        ùltima Leitura: Razoável
                        sigpic
                        Mister No #6 (RECORD)

                        http://www.tumblr.com/blog/ultimaleitura

                        Comment


                        • #13
                          eu não li a fic toda mas o Innuk está desesperado por uns estupradores gays?

                          Comment


                          • #14
                            Uma voz feminina anuncia:

                            "Atenção todos os videntes. Apresentem-se no terceiro nível, sala 12".

                            Abro a porta e vejo no corredor em frente o número 3 pintado em vermelho. Na porta, o número 12. Antes que eu possa reagir, ouço passos se aproximando.

                            Volto correndo pela sala, em direção à outra porta. Trancada.

                            Quando me viro novamente é tarde demais. Vejo cinco pessoas paradas na outra porta, me olhando, pasmos. Quase tão surpresos quanto eu por estar ali.

                            "Eu avisei que hoje algo sairia errado", diz o mais alto de todos, um homem magro, de pele bem morena, parecendo indiano.

                            "Quando esse voluntário foi capturado eu fui o primeiro a dizer que ele seria problemático", fala uma senhora baixa e gorda.

                            Os demais videntes são um jovem forte, negro, com cabelos de locks. Uma mulher de seus trinta anos, muito bonita, com um colorido lenço envolvendo a cabeça. Um homem de meia idade, também forte, careca e com uma cicatriz na bochecha esquerda.

                            Todos vestem jalecos brancos, como se fossem médicos ou cientistas, de acordo com o ambiente em que estamos. O homem de meia idade manda todos calarem e os demais obedecem.

                            Eles ficam parados na porta, impedindo minha passagem. Sem saber o que pode acontecer caso eu ataque, fico aguardando a reação deles.

                            "Pular só lhe renderia um perna quebrada", diz a mulher do lenço colorido.

                            Sim, eu havia pensado em fazer isso. Isso só complica mais minha situação. Eles aparentemente são mesmo videntes. Como enganar quem já sabe o que vai acontecer?

                            "Não há como.", "respondeu" a mesma mulher.

                            Decido falar em voz alta mesmo, já que tentar pensar não adianta muita coisa.

                            "Quem são vocês? O que querem comigo?"

                            "No momento queremos que você se acalme.", diz o homem da cicatriz.

                            "Onde eu estou?"

                            "Num... centro de pesquisas.", responde o rapaz negro.

                            "Vocês não têm o direito de me manter aqui!"

                            "Oh, mas quem se importa com isso?", diz a baixinha.

                            O jeito seria agir sem pensar e num ímpeto abro uma das pequenas geladeiras, agarro a primeira bandeja de vidros que encontro e ameaço:

                            "Vou jogar isso pela janela se vocês se aproximarem!"

                            "Ele vai mesmo", diz a mulher do lenço colorido.

                            "Bom. Então ouçam bem: quero que vocês me digam exatamente onde eu estou."

                            "Ainda não reconheceu?" disse uma outra pessoa que entrava na sala naquele momento.

                            "Estamos em/no/no _____________, diz o/a __________ olhando diretamente para mim.

                            ************

                            OK, o primeiro que postar sugere o lugar, o segundo sugere um vilão qualquer. Se a primeira pessoa postar lugar e vilão, só considerarei o lugar, certo?

                            Por favor postem um vilão que vocês conheçam, porque se eu não conhecer, vocês terão que dar as características dele, certo?
                            ùltima Leitura: Razoável
                            sigpic
                            Mister No #6 (RECORD)

                            http://www.tumblr.com/blog/ultimaleitura

                            Comment


                            • #15
                              Zona Fantasma.

                              Comment

                              Working...
                              X